As Bestas Devem Permanecer Unidas

Tradução de “Beast must stick together”, originalmente escrito por Ramon Elani.

_________________________________________________________________________

—Para Bec

“Se os viajantes incansáveis não fossem em si a causa, então, como a fragrância e a cor da lótus no céu, não haveria percepção do universo”.
—Nagarjuna

A besta jovem disse à velha: Como posso viver neste mundo?

Este mundo dilacerado, quebrado.

A besta velha respondeu à jovem: Siga o teu alento. Fale com os espíritos nas poças.

Estas coisas acontecerão.

A besta jovem disse à velha: Tudo o que vejo é asqueroso e indescritivelmente feio.

Um mundo que é rasgado e eu igualmente rasgado dentro dele.

A besta velha respondeu à jovem: Vá a floresta, faça tortas e lenços.

Escuta as vozes da tempestade sobre as falésias.

A besta jovem disse à velha: Oh, velha bruxa! Busco o profundo poço nas florestas escuras.

Não consigo encontrá-lo.

A besta velha respondeu à jovem: Tu apenas o encontrarás nas profundezas escuras do silêncio.

O que tu procurarás que não poderás encontrar em teu interior?

A besta jovem disse à velha: Mas eu fervo em ira! Anseio sangue e vingança!

Os deuses deverão presenciar o terror que desatarei sobre este mundo maligno.

A besta velha respondeu à jovem: A menos que você faça um buraco em ti mesmo, não haverá lugar para que os deuses habitem em teu interior.

A besta jovem disse à velha: Meu coração é negro e não posso deixar a minha amargura.

Cuspo na paz e na gentileza do sono.

A besta velha respondeu à jovem: Quando estiver sozinha no gelo, cercada por demônios, haverá apenas a voz de tua verdadeira alma para guiar-te.

A besta jovem disse à velha: Tempestade antiga, me carregue na corrente, estou flutuando, atormentada pelos olhos sempre observadores da escuridão.

A besta velha respondeu à jovem: Olha para os cortes sobre meu peito, eu tirei a minha carne com cortes irregulares de uma faca esfoladora.

A besta jovem disse à velha: Te prepararei um festejo e uma reluzente carne vermelha que te dará água na boca.

A besta velha respondeu à jovem. Olha esta lança na qual eu me empalei.

Olha para as tranças de cabelo com as quais eu me estrangulei.

A besta jovem disse à velha: Te vi na casa escura que estava afogada em fumaça. Te vi caminhar com a lua.

A besta velha respondeu à jovem: Eu matei a meu irmão com suas escuras mãos aquela noite.

Eu matei a todos eles por seu silêncio.

A besta jovem disse à velha: O que viste caminhando entre as estrelas?

O que escutaste nos sussurros da neve?

A besta velha respondeu à jovem: O demônio azul se levanta das profundezas glaciais.

Ele infinca as suas afiadas garras nas entranhas do mundo.

A besta jovem disse à velha: Te afogarás em lágrimas? Um mar de óxido.

Despedaçado em fragmentos pelas ondas de ferro.

A besta velha respondeu à jovem: Submerja-te profundamente no abismo do oceano e não temas.

Depois de tudo, as bestas devem permanecer unidas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s