Busca o Teu EU Espiritual

Tradução ao português realizada por Anhangá do texto “Busca Tu YO Espiritual”, da terceira edição da Revista Ajajema. Texto assinado por XL.

Desde pequeno eu tive um sonho frequente, e não sei bem se é um sonho ou um pesadelo, mas isso pouco importa. Nele eu sinto que sou uma pequeníssima parte de um todo e que este todo me absorve, e então me sinto impotente, sinto que caio por uma das bordas deste todo e que nunca chego a um final, e logo me afundo em desespero e as ânsias me consomem até que acordo. Este sonho eu tive desde muito pequeno. Já em minha adolescência foi frequente a chamada “paralisia do sono”. A ciência a explica como o momento em que o seu cérebro se “apaga” ao dormir, mas o seu corpo segue com algumas funções como a visão e o olfato, só que é impossível se mover. Associam isso ao cansaço excessivo, etc. Se você nunca passou por isso, deixe-me lhe dizer que no início é uma experiência assustadora, perceber que você pode mover os seus olhos, mas é incapaz de poder mover um só dedo ou de gritar, realmente é algo bastante perturbador. Minha família sempre viu isso como algo do diabo. Vindo de uma família religiosa, é natural que associem estas coisas com um castigo de Deus por eu ter me distanciado de seus mandamentos, etc. As etapas que tive em minha vida me deixaram valiosos ensinos que formaram as crenças pessoais que defendo agora na atualidade. Desde que eu me lembro sempre fui uma pessoa espiritual, sempre à procura de algo mais além, tentando me preencher com a sabedoria dos mais velhos ou de outras maneiras, através do que dizem os livros sobre crenças animistas ancestrais, tanto que cheguei a viver com pessoas que me abriram a visão a respeito disso.

Confesso que quando eu era mais jovem e me declarava anarquista, negava com todas as minhas mais fracas forças a espiritualidade, confundia a religião com as crenças, e ao mesmo tempo em que levantava a bandeira do ateísmo racional e irracional que alça a ciência moderna, em algum momento me dei conta de que tudo isso era um lixo, e que enquanto eu reivindicava estas posturas distantes eu estava negando a mim mesmo, estava negando a minha curiosidade, a minha vontade de experimentar e de explorar caminhos insuspeitados em companhia do Inominável. Então me distanciei destas posturas puritanas e me pus a conhecer mais, a deixar de lado o vício civilizado que dita que porque estamos nesta era “híper-moderna” nós “transcendemos” a crença nas forças da natureza. No começo era difícil para mim a ideia de que a chuva é algo mais que um processo hidrológico, que o fogo não é apenas parte de uma mistura de condições que fazem com que a chama seja produzida, ou que a escuridão é “simplesmente” escuridão. Mas com o decorrer dos ciclos eu aprendi a ver tudo isso e mais através de uma visão espiritualizada, embora não totalmente, eu devo esclarecer.

Foi há muito tempo atrás durante estes episódios de paralisia do sono que, enquanto eu me encontrava sem mobilidade, senti claramente a presença de um ser que me pegava pelas costas e me apertava com bastante força. Vi que tinha a pele escura e percebi que os seus braços estavam cobertos por cicatrizes. Logo sucumbi à situação e simplesmente me deixei levar. No começo senti medo, mas depois a paz me invadiu, então a partir daquele momento estes episódios pararam de me causar medo.

Anos mais tarde, em uma sessão com pessoas que levam a sério a prática da Santeria, tive a oportunidade de realizar um ritual enquanto um jovem era possuído por um guia (como eles dizem). O guia naquele momento era um ancião que formava parte de uma tribo de nativos amazônicos massacrados por europeus. Ele me convidou a fumar um tabaco natural com ele. O guia não falava espanhol, era uma especie de português arcaico misturado com ruídos parecidos aos chamados “clicks” dos Bosquímanos. Lembro-me que o quarto estava coberto por fumaça de tabaco, um silêncio intrigante reinava ali, algumas pessoas borrifavam água em torno de nós, uns mantinham a cabeça baixa, já outros viam expectantes o panorama, e eu, inexplicavelmente entendia o idioma do guia. Ele me disse muitas coisas, das quais eu não posso falar, mas me surpreendeu como ele sabia de algumas coisas que apenas eu sabia, como aquele episódio em minha adolescência com a presença noturna que eu mencionei acima. O guia me deu o seu nome, me disse que era um antepassado meu da África, me disse que as suas cicatrizes eram porque havia sido um bravo guerreiro, que eu era o seu reflexo e que não deveria rejeitá-lo. O jovem possuído despertou e pediu água…

Uma anciã apontou para o céu e disse: “Há aqueles que tentam ir mais além, uma maldição recairá sobre as suas cabeças”. Estas palavras à primeira vista não me pareceram muito contundentes, era apenas um comentário de uma curandeira com quem eu estava aprendendo a arte da cura por meio de ervas ancestrais, mas neste mesmo dia cheguei eu em casa e fui ver algumas notícias, foi quando vi que um astronauta (creio que era italiano) da Estação Espacial Internacional havia sido afetado pelo Desconhecido. Em um caminhada rotineira o capacete do astronauta começou a se encher de água, água que saía do Nada, então ele teve que ser atendido medicamente já que quase se afogou. Os engenheiros especializados, os físicos, etc., não puderam dar uma explicação concreta sobre o ocorrido (até agora). Foi então que as palavras da anciã ressoaram em minha cabeça, validando o que foi dito. Os humanos modernos desafiam o Selvagem e pensam que todos os caminhos são permitidos para eles, se aventuram naquilo que pensam conhecer, mas na verdade não conhecem uma única parte. A imensidão do Desconhecido é algo inexplicável, as suas obras são indizíveis, é incompreensível para quase todos os humanos modernos, apenas alguns poucos compreendem que não somos o centro do universo, mas uma parte dele.

“Há pessoas que tem mais trevas que luz em seu interior, mas você tem os dois quase no mesmo nível”, estas palavras foram as que uma vez me disse um ocultista durante uma conversa à meia noite em uma Lua Nova. Velas negras iluminavam símbolos estranhos, havia cheiro de enxofre e um som de metais se chocando nos acompanhava. Dentro da cabana era possível sentir uma atmosfera pesada, densa como névoa. Lá fora, a floresta estava em silêncio, cheirando a puro gelo, símbolos foram acesos com álcool. Você alguma vez já caminhou sozinho no bosque pela noite? Você já sentiu alguém ou algo te observando naquele momento? Tive esta sensação aquela vez, não sentia medo, mas um pouco de ansiedade que lentamente foi desaparecendo. Esta noite era muito escura, nem sequer podia ver as minhas próprias mãos. Estávamos sentados com os olhos fechados enquanto ele falava em línguas estranhas e às vezes gritava, as mãos suavam, os ouvidos estavam atentos, havia um frio nos ossos. O ser humano moderno está muito ocidentalizado, pensa que estes tipos de experiências são “ruins”, temem ao Desconhecido. Eu não o temo, aprendi a não temê-lo, eu o respeito. “Todos temos um Abismo, é necessário mergulhar-nos nele, e quando o fizermos, poderemos observá-lo e, ao mesmo tempo, saber que o Abismo também nos “vê”.”

As vivências e experiências que um individualista chega a ter centrando-se na espiritualidade são, muitas das vezes, resultado do risco de saber algo além, de sair do cofre em que nos metemos, de romper as crenças cotidianas impostas culturalmente. No começo, parece ser um mundo bastante hostil, mas quando você interage de maneira mais íntima com tudo isso a recompensa é grandiosa. Atreva-se, busque o seu Eu espiritual.

XL.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s