Sonhos Contra a Realidade

Tradução de uma interessante reflexão de um anarquista frustrado, defensor do pessimismo e crítico da pestilente era moderna. Extraído de The Cult of Infinity. Traduzido por Urucun.

Bem, ainda estou aqui. Eu tinha o objetivo de tentar escrever um post a cada semana, mas tenho aprendido que às vezes você tem que deixar projetos de lado e se conformar com isso. Quero seguir escrevendo e escrevendo, mas realmente é preciso muita energia emocional para conseguir escritos maiores. Muitas vezes me sinto frustrado por minha falta de motivação porque me pus várias metas, mesmo sabendo profundamente que estou preparado para o fracasso. Eu quero me destacar em uma coisa, e talvez isso seja escrito, quem sabe? Mas no momento eu não estou me dedicando suficientemente a isso. É sangue, suor e lágrimas e, às vezes, simplesmente eu não tenho a energia. Ocasionalmente você se sente como um disco quebrado, simplesmente respondendo aos demais. Isso não combina comigo, eu gosto de pensar por mim mesmo, e foi isso que me atraiu para a anarquia em primeiro lugar. Foi o que me forçou a continuar buscando, apesar de tantos becos sem saída.

É um momento confuso e pouco claro, e qualquer um que alegue ter respostas está enganosamente mal orientado na melhor das hipóteses, e politicamente enganado na pior. Esta é uma das coisas mais difíceis para os anarquistas concordarem. À medida que mais e mais pessoas chegam ao anarquismo através da internet temo que esta busca por respostas leve muitos a simplesmente seguir doutrinas estabelecidas escritas por anarquistas para uma outra época, já que fornecem as direções.

O que explica esta falta de imaginação? Parece muito fácil ser absorvido por todas as causas sociais e ultrajes da época, especialmente com ênfase na identidade. Estes adeptos anarquistas às noções de comunidade são risíveis, traem as suas verdadeiras ideologias enraizadas no marxismo, maoismo e outras tolices esquerdistas. Há um componente espiritual que está faltando na anarquia, e em nossas vidas. Sugiro que os anarquistas pensem sobre isso. Eu anseio o pensamento flexível e não a rígida adesão ao dogma. Temos a religiosidade sem o conhecimento do que a religião poderia realmente fornecer, algo de que certos místicos falaram. Em vez dos santos, agora temos os deuses seculares da Ciência toda-poderosa.

Não sou um anarquista que queira salvar a humanidade. A humanidade é uma das maiores causas da miséria no mundo. Ela nos distancia de viver livremente sob nossos próprios termos. Nos força a nos conformar, a nos normalizar e a nos controlar. Não permite a negatividade porque é preciso ter esperança no futuro para dar bastante valor à vida humana. Mantém a anarquia segura e atraente. E, no entanto, não há nada realmente humano na forma como estas pessoas vêem o mundo. Para eles o ser humano é obsceno. A violência é abominada apesar de fazer parte da existência do homo sapiens desde tempos imemoriais; a menos que a violência seja feita coletivamente, é denunciada.

Qual é a diferença entre alguém que mata por prazer, frustração ou vingança, e alguém que mata por ganâncias políticas? É uma estranha linha moral que algumas pessoas desenham na areia.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s