[INDONÉSIA] Massacre Ancestral: Mais de 2.000 Mortos

Havia sido informado dias antes em ME sobre o terremoto e posterior tsunami que afetou uma das ilhas da Indonésia. Fomos testemunhos da completa superioridade da Terra sobre a civilização, de como a Natureza Selvagem desatou toda a sua vingança contra os assentamentos da humanidade. Havíamos informado e o faremos outra vez, para regojizar-nos com a desgraça humana, para regojizar-nos com o Caos único da Terra.

Naquele momento havia sido informado 500 mortos e a cifra agora ultrapassa as 2 mil vítimas humanas fatais. Lembramos também que houve uma erupção vulcânica, tornando mais magistral a mensagem de desolação e impotência da humanidade ante a esmagadora força da Terra.

Salve à Caótica Natureza Selvagem!

Pela fúria das erupções, dos terremotos e ondas gigantes!

Transcrevemos parte de uma nota da imprensa, como registro do Caos:

“É por isso que fugiram às pressas para as colinas mais próximas. Foi isso que fez Melsi Pangalo. A jovem já está há cinco dias à sombra de uma árvore junta a uma extensão de um monte de escombros, madeiras e móveis onde antes era sua aldeia: Loli Saluran. Sobre sua perna está dormindo o seu filho de dois anos.

“Todos saímos correndo para as montanhas. Passamos seis horas lá e depois descemos. Então descobrimos que quatro pessoas que não haviam fugido morreram. Uma era minha avó. Ela tinha 60 anos e não podia correr”, relata.

Os manguezais secaram e a costa -antes propícia para o banho- está repleta de árvores arrancadas, postes de eletricidade e restos de todos os tipos.

Quem anda pelo porto pode dar de cara com meia dúzia de barcos encalhados ou submersos, e um -o Haji Anti Ismael- embutido no meio das ruas. “Nós estávamos ancorados a vários metros da costa e quando o tsunami chegou, ele nos empurrou contra a cidade”, diz gritando da embarcação, que segue usando como abrigo temporário.

Recorda que as ondas começaram a balançar o navio de pesca de forma violenta. Ele e os outros quatro membros da tripulação se agarraram ao mastro e começaram a gritar “¡Ala Uakbar! ¡Ala Uakbar!” (“Deus é grande”). “Eu pensava que todos nós iríamos morrer”, acrescenta.

No bairro de Tanjun Gato, perto do mar, morreram cerca de 40 pessoas. Uma dúzia delas, crianças que estavam em um colégio que acabou sendo engolido pelo mar.

A área é uma sucessão de habitats semi-afundados no oceano. Um prédio de quatro andares está totalmente escorado em meio à água, à espera de outra réplica que acabe com o que começou o movimento sísmico.

“Uns 20 a 30 metros de litoral sucumbiram com o terremoto. Um armazém, uma estrada… Desapareceram com a água. Antes na praia a água chegava até o seu joelho. Agora não há praia, mas um desnível de 30 metros.”, diz Wawan Tuliabo, de 26 anos.

O rapaz descreve uma área em que novas casas foram construídas ganhando espaço ao mar. Foi o mesmo terreno que ele voltou a recuperar no dia 28.”


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s