Duras Palavras: uma conversa Eco-extremista

A tradução deste texto é resultado de um importante esforço realizado por Anhangá que logo nos enviou ao e-mail. Seu original pode ser conferido em Palabras Duras: Una conversación Eco-extremista. Este texto (só que em espanhol) pode também ser conferido neste pdf onde também há uma outra conversação eco-extremista entre John Jacobi, representante da tendência Selvagista, e Mictlantepetli, um eco-extremista que aceitou a conversa.

Durante a extensa discussão de natureza jornalística, Xale, editor-chefe da Revista Regressión, responde às questões postas por HH. No texto eles passam por assuntos como a nova fase de ITS iniciada este ano juntamente com sua internacionalização e evolução, paganismo, a importância da atividade delinquencial, niilismo e a relação da tendência com os niilistas terroristas da Itália, eco-extremismo nos EUA, “reselvagização”, problemática com os anarquistas e vários outros temas que compõem a tendência eco-extremista.

Pela propagação de duras palavras eco-extremistas!

Pela expansão da tendência!
_________________________________________________________________________

“Duras são estas palavras! Quem pode ouvi-las?”

– (João 6:60)

Como leitor nunca estive muito satisfeito com todas as entrevistas que foram feitas com vários eco-extremistas durante alguns anos. Os interlocutores sempre foram mal informados, de má fé, não dispostos a aprender algo novo ou simplesmente não são muito inteligentes. De todos os modos, como um leitor um pouco mais informado queria fazer umas perguntas que realmente vão ao fundo do eco-extremismo, suas origens e sua evolução recente. Neste sentido, Xale, editor-chefe da Revista Regresión e membro de ITS-México, um especialista sobre estas questões, foi bastante generoso com seu tempo para responder às seguintes perguntas ou/e pensamentos.

Há de notar que tivemos esta conversa num espírito jornalístico. Fizemos e respondemos as perguntas para informar e não exortar neste documento. O interlocutor principal se declara independente de ITS ou do eco-extremismo, e apenas faz a entrevista para informar ou “entreter”.

Comecemos:

Continuar a ler