[RÚSSIA] Satanistas Reivindicam Queima de Antiga Igreja em Karelia

Não há dúvidas de que os eco-extremistas são apenas uma das muitas encarnações do mal na era moderna. Todos estes males para a vida civilizada são para nós motivo de alegria e regozijo. Que o fogo satanista siga crescendo e consumindo os restos da decadente fé cristã! Que queimem os Neo-cristãos anarquistas e com eles toda a humanidade!

Moscou (Asian News) – Em 10 de Agosto a Igreja de Assunção foi incendiada em Kondopoga, na Karelia, região norte da Escandinávia na Rússia. O edifício do século XVIII parece ter sido incendiado por um garoto de 15 anos, que provavelmente sofria de alguma enfermidade mental, que queria “se tornar famoso no mundo”, segundo os policiais que o interrogaram. O menino estava em contato com uma seita satânica.

A igreja era um monumento protegido pelo estado, e foi completamente destruída pelo fogo, por isso os especialistas acreditam que não há esperanças de restaurá-la. Era uma Igreja Ortodoxa localizada em um penhasco do grande lago Onega, e construída em 1774 com as típicas características nórdicas, com uma aparência especial de carpa e uma altura de 42 metros. Era chamada de “a canção do cisne” da arte russa em igrejas de madeira, da qual apenas algumas espécimes podem ser encontradas, espalhadas ao longo do país, sendo uma dúzia no parte arqueológico da cidade de Sudzal.

As seitas satânicas se espalharam imediatamente após o fim do comunismo na Rússia, embora alguns acreditem que estiveram ativas desde 1980 nos ambientes mais extremos da dissidência juvenil. Mais que a influência da cultura do Rock, proibido em épocas soviéticas e duramente condenado pela Igreja Ortodoxa, o Satanismo russo revela elementos de protesto contra a Igreja nacional. Em suma, a inspiração anti-cristã natural, os Satanistas criticam a Igreja por ter colaborado com o regime “satânico” dos Bolcheviques, e são justificados pela necessidade de uma “revolução” espiritual. O culto a Satanás seria então um mundo para “se purificar” da falsa religião soviética.

No país, acredita-se que entre 50 e 100 mil pessoas pratiquem cultos Satânicos. O Ministério do Interior começou a investigar e intervir em suas atividades desde 2003, classificando-as como “seitas destrutivas” dedicadas ao esoterismo e a magia negra. Não é incomum que adolescentes emocionais acabem sob sua influência, como o que colocou fogo na Igreja em Kondopoga.

Uma Igreja Satanista Oficial

Ainda sim, há quase dois anos existe uma Igreja Satanista registrada oficialmente em Moscou. A data do registro (10 de Maio de 2017) é lembrada a cada ano como o “Dia do Satanismo Russo”. É singular que os Satanistas tenham adotado a legislação russa logo após a aprovação da “Lei Jarovoj” em 2016, a provisão que limita e efetivamente previne que seja professada a fé em qualquer esfera pública sem que se adira rigorosamente às normais da lei.

Ao serem entrevistados pelo site 66.ru, os Satanistas Russos, nas palavras de seu líder chamado “Oleg Sataninov”, declaram ter decidido “sair do armário” em 2013 e que pretendem formar uma organização estritamente religiosa, seguindo os ditames da Constituição Russa. Foi apresentado um documento na “Fundação da Doutrina Satanista”, com seus próprios mandamentos, a lista de pecados e símbolos da Igreja Satanista, tais como a cabeça de uma cabra rodeada de letras mágicas do alfabeto de Enoch. Os membros da organização normalmente mantém reservas sobre sua filiação, mas estão espalhados por toda a Rússia.

Os Satanistas Russos garantem que não são dependentes, ou que sequer estão ligados à Igreja de Satanás nos Estados Unidos. Eles não traduzem literatura do inglês ou de outros idiomas, mas produzem livros em russo, embora geralmente sigam os princípios da Bíblia Satânica publicada na América por Anton LaVey, em 1969. Eles não tem templos de adoração, mas usam edifícios disponíveis graças a membros do grupo de tempos em tempos, e negam a acusação de realizarem sacrifícios humanos. Sobre este assunto, se distanciam dos “adoradores malvados”, que acreditam ser simplesmente “cristãos inversos”.

Ainda não se sabe qual seita e que ritual motivou o ataque incendiário dos adolescentes em Karelia, ou se a destruição de Igrejas é uma prática recomendada pelas autoridades do Satanismo Russo, de forma oficial ou clandestina. Certamente, era uma prática habitual do ateísmo militante dos comunistas soviéticos.

Por Vladimir Rozanskij

[MÚSICA] Miasthenia

Extreme Pagan Black Metal com líricas pagãs e ancestrais. Abordam ritualismos pagãos, resistência indígena ancestral, o Desconhecido, culto à morte e aos Deuses, guerras, canibalismo, misantropia, anti-cristianismo extremo, herança e vingança ancestral, cosmologia pagã, submundo, animismo, Natureza Selvagem, supremacia ancestral, necromancia, primitivismo, caçadas e confrontos, etc.

Escuta o chamado…

Letra da “Sacerdote Jaguar”:

Guardiões do inframundo
Correndo de volta ao templo, guardando segredos primordiais
Resistência ancestral!

Em ritos fúnebres no templo da morte.
Sacerdote-jaguar celebrando deuses da morte

Libertando a alma do templo
Libertando seu grande espírito
Lealdade na escuridão

Evocando mortos em transe
Guiando seus passos para além do inframundo de volta ao mitnal,
Ao ventre da deusa, de fetos e larvas, de mortos esperando renascer no inframundo

Em ritos fúnebres no templo da morte.
Sacerdote-jaguar celebrando deuses da morte

Libertando a alma do templo
Libertando seu grande espírito
Lealdade na escuridão

Evocando mortos em transe
Guiando seus passos para além do inframundo de volta ao mitnal,
Ao ventre da deusa, de fetos e larvas, de mortos esperando renascer no inframundo

Metamorfoses espirituais da morte
Sublimes estágios de renascimento
Akbal guia o jaguar
Akbal corre em minhas veias

Unindo mundo opostos, potências celestes,
A alma dos mortos aos ancestrais
Chave do renascimento no mundo dos mortos
Forças ctônicas, ritos telúricos

Akbal guia o jaguar
Akbal corre em minhas veias

Guardiões do inframundo
Correndo de volta ao templo, guardando segredos primordiais
Resistência ancestral!

Em ritos fúnebres no templo da morte.
Sacerdote-jaguar celebrando deuses da morte

Letra da “Brumas Xamânicas”:

O Xamã Makú, da tribo de nômades caçadores da floresta Amazônica prepara-nos a mágica porção alucinógena de viagens sobre a cosmos e o passado sulamericano, sobre Nemep-wa Matas (Domínio das Sombras), risos obscuros de profanações ouvimos das Sombras, a vaguear nas florestas taciturnamente espionam os mortais, na vampírica busca do sangue. Livres no tempo em meio a danças e cantos, rituais poemas. Sob selvagens horizontes retorno à terra – alma de meu povo. Sem paz. Com as minhas armas defendo sua memória enterrada. Retorno à terra e dela retiro minhas, o canto dos mortos.

Glifos insólitos que habitam esta saga
A saga de uma guerreiro ancestral
As folhas caem num prelúdio
E sangue dos deuses é derramado…

Brumas Xamânicas!
Fogo e tempestade em suas veias
Delírios enfim de desumanos poderes…
Seu corpo a floresta pulsante
Seu sangue vestígio do tempo.

Quilla!!! Vejo um deus sem face
Caminhando entre as hordas de ataque
Rituais de nossos desejos
Cósmicos mistérios…

Brumas Xamânicas em prelúdio
Mitos de guerra, relatos do fim…

Vejo formas exóticas e a saga de um guerreiro ancestral
Numa confusa dimensão e o cérebro máquina em tirania
Um vermelho profundo escurece minhas visões…

Letra da “De Natureza Infernal”:

De infernal natura
Ritos obscuros de profanação
Pulsando na floresta na busca pelo sangue

Nós regressamos com ódio para o fim!!!

Sob o cosmos primordial
Visões de opulenta Serpente
Através do espelho do tempo anunciando
O resurgir da natura
De criaturas infernais!!!

Giramos sob o espelho do tempo
Onde o dia jamair ousou penetrar
Onde a Lua em luxúria copula com as sombras
No Trópico dos Pecados!!!

Clamam em sacrifícios humanos…
Para além dos ciclos da vida e da morte
Míticos espiritos ancestrais
Libertem!!!

Letra da “Guerra de Mixton”:

Nas montanhas de mixtón
Feiticeiras dançam
Ao redor do fogo
Contemplando os ventos que
Anunciam a sangrenta batalha

Anunciando a vida de Tlaloc
E de todos ancestrais ressuscitados
Ao rufar dos tambores
As hordas de Tlaloc
Se reúnem para o massacre
Tanamaxtle grande guerreiro
Se prepara para a batalha
Conduzindo as hordas bélicas
Da resistência

Tlaloc o senhor da destruição do “terceiro sol”
Evocando a chuva cósmica
Do universo que se revela
Nos códices sagrados
Ergue novamente o seu templo
Nas montanhas de mixtón

Expurgando os sacramentos
Incendiando igrejas
Matando missionários
Castigando os seguidores da igreja
Lançando a desgraça
O exército do vice-rei

A flecha de Tanamaxtle
Corre como o raio de Tlaloc
Reinando soberana nos campos de batalha

Tempestades de apostasia e profanação
Dilacerando a face do deus cristão
O paraíso de Tlaloc aguarda os
Guerreiros que caem sob as águas

Letra da “Deuses Da Aurora Ancestral”:

Autos-de-fé inquisitoriais
Vieram de além mar
Trazendo a cruz e a espada
Violando os altares ancestrais
Do “novo mundo”
Mas este novo mundo
Era tão antigo quanto o seu

Desde a escuridão de tempos primordiais
Uma raça de homens-deuses
Habitava o continente
A cidade dos deuses
Brilhava em sua glória
Sangue e corações humanos
Despejados em antigos cenotes
Deuses da aurora ancestral

Mas um dia os inquisitores chegaram
Empunhando a cruz e a espada
Disseminando a peste em seus sacramentos
Ergueram seus templos
Nas ruínas ancestrais

Mas os guerreiros do “novo mundo”
Resistiram bravamente
Ao cárcere da inquisição
Extirpação das idolatrias
Profanaram a cruz
Quebrantaran sacramentos

A fúria dos deuses austrais
Corre nas flechas de fogo
Eles correm para as montanhas
E ostentam os cultos ancestrais
Eles marcham para a batalha

E erguem seus poderosos machados
Golpeiam conquistadores
Sacrificam missionários
Imolam inquisitores
E atormentam sua alma

Deuses demônios da guerra e do fogo
Deusas guerreiras e rainhas soberanas
Marcas do anti-cristo
Ecoa em sua mente
Apostasia tribal
Ofuscando o sol da inquisição

Os tambores estão pulsando
Na escuridão da floresta
Os espíritos ancestrais
Dançam no círculo sagrado
Eles se tornaram imortais
E atormentam sua alma

Letra da “Rituais de Rebelião”:

Minha mente sobrevoa tempos ancestrais, onde rituais de rebelião permanecem em essência.. Guerreiros e Amazonas abraçam o ritual, unindo-se contra o invasor, semeando o medo e anunciando o desconhecido. Aos olhos do invasor que os teme por seus mistérios. Candelabros ardem em minhas visões. Perfumes de incensos desfilam pelo ar… Os poderes ancestrais se manifestam nesta noite…
No Vale das Sombras aguardamos a batalha Final, e após os mil anos destruiremos a Cidade Santa…Puro como a noite o mal se manifesta. O sol desaparecerá eternamente. E meus inimigos cairão!!!

Senhores do fogo e da terra!!!
Selando com a espada e o cálice este poema…
Guardiões da Torre do Sul!!!
Espíritos sombrios das florestas
Nós evocamos!!!

As chamas permanecem acessas
Evocando o centro de nosso ser
Destruindo e purificando
Pagã alquimia de nossos desejos.

Murmúrios de séculos
Rituais de rebelião

Envoltos em feitiços sabáticos
Visões de ancestrais paganismos
Taqui ongoy! A dança da enfermidade
Caminhando para a floresta
Nós bebemos do cálice
Celebrando a Grande Deusa… Quilla!!!

Letra da “Essência Canibalística”:

O pajem tupinambá anuncia o fúnebre ritual
Imolação e vingança, sangue, ódio e poder
Os deuses bestiais se manifestam na velha dança
Teoruira!!! Desprezando o deus inimigo…

Debe mara pa, xe remiu ram begue!!! (Que todo infortúnio
recaia sobre você, minha comida, minha refeição)
Nde akanga juka aipota kuri ne!!!
(Quero arrebentar sua cabeça ainda hoje)

Cauim e sangue, embriagues e êxtase
É o espírito imortal sorvido em crânios inimigos
Minha ira em cálices de morte…
Seu sangue é minha força vital
Sua morte o signo de minha vitória!!!

Eu vejo o mundo invisível ao seu redor
E o crepúsculo que anuncia uma Era de Sangue
E a profecia das Maracás desferindo o golpe mortal
O estandarte do eterno caos
A dinastia abismal forjada em ódio ancestral
Corpos descarnados, corações arrancados…

Desfrute da ceia triunfal canibalística
E sinta o despertar do espírito da águia…
Sinto a vitalidade selvagem
E a natureza infernal pulsando em minhas veias…
A inocência primitiva que habita a escuridão
A supremacia das Maracás, da idolatria pagã…

Letra da “Onde Sangram Pagãs Memórias”:

Outrora corpos animados de homens comandavam os exércitos,
conquistavam as províncias, possuíam os tesouros,
saqueavam os templos.
Exultavam no seu orgulho, sua majestade, sua fortuna,
sua glória e seu poder. Elas são esvanecidas, estas glórias,
como as terríveis fumaças vomitdas pelos fogos infernais do Popocatépetl.
Nada, salvo algumas linhas de uma página,
para as fazer voltar à nossa lembrança!
(Netzahualcoyotl, Rei de Texcoco)
Há séculos seus campos estão em chamas.
Os meridianos sangram suas memórias,
enquanto seus filhos brincam em jardins de mentiras,
celebrando o vazio, cultuando símbolos inimigos.

Somos totens supremos
Cavalgando nos confins do limbo
Aclamando com orgulho…

Fazemos entoar rumores de guerra
Uma supremacia perdida
e nossa horda de seres invisíveis
Em êxtases animistas blasfêmicos

Somos a tragédia em suas veias
Correndo para nossa fortaleza na intensa floresta
Derramando poemas em lágrimas
Memórias ancestrais…

Nossos corpos estão adoecendo
E lá onde os nobres descansam
Brilha mais uma pálida constelação
De nossos sonhos e pesadelos…

Dançando com minha sombra
Movendo-se na escuridão
Extravasando a fragilidade humana…

Celebrando o invisível em cálices da morte
E rasgando os véus que encobriram sua beleza
Vejo-lhe agora desfigurada
A beleza em rios de sangue correndo de sua face
Nossa Era… Caos…

Letra da “Soturna Selvageria”:

Ouça as derradeiras palpitações
De um coração que desfalece
Ali onde estilhaços de rocha emergem da imensidão
Onde correm os ventos do Sul.
Mundo esquecido que reina em silêncio
Refúgio fascinante de seres aterradores.

Beba do cálice e seus mistérios
Aqueles que não ousam devorar o fruto do conhecimento
E retornar ao estado selvagem da existência
Ouse e reinaremos em soturno legado

“Rostos sábios e corações firmes”
Guerreiros do Fogo
Somos herdeiros de uma Era de Gigantes
Quebrantando as leis santas da Mãe natureza
E os divinos preceitos do Pai
Nós renegamos o seu batismo…

E na noite dos tempos retornamos
Ao estado selvagem da existência
Rastejando como serpentes
Voando como águias…

Libertando para sempre o universo mítico pagão
Libertando para sempre o pesadelo escondido nas lendas

Letra da “Necromânticos Ritos de Guerra”:

Ao rufar dos tambores de guerra
E o sopro de flautas infernais
Pintamos nosso corpo para o massacre
Conduzindo escudos e armas

Recebemos o espírito da força
Evocado em sacrifícios humanos
O sacerdote vê o destino da guerra
No coração palpitante do inimigo

Necromancia…
Conduz-nos às trevas do tempo…
Flechas de fogo, canoas velozes e cantos de guerra
Unimo-nos ao círculo de sanguinárias guerreiras
Seres que habitam na escuridão

Filhos do Demônio aterrador
Violando a cruz e os dogmas
Erguendo o estandarte de força e honra pagã
Perdidos para sempre nas brumas da rebelião
Misantropia!!! Canibal!!!

A Cidade dos Mortos resplandece esta noite para a batalha
Megalíticas fortalezas mancham-se com o sangue inimigo
Agora os seres da escuridão alimentam sua honra e orgulho
Já não vejo mais aqueles que tentaram usurpar o meu trono…

Esta é a Era do Sangue!!!

Álbuns:

Miasthenia – Legados Do Inframundo

Miasthenia – XVI

Miasthenia – Batalha Ritual

Miasthenia – Supremacia Ancestral

[BRASIL] Comunicado 57 de ITS: Incêndio Contra Igreja — Sociedade Secreta Silvestre

Os guerreiros da Sociedade Secreta Silvestre reivindicam um novo ataque, desta vez um incêndio contra uma igreja.

Pela queima vingativa de qualquer igreja!

Pela profanação do cristo!

_________________________________________________________________________________________________

“No dia em que te manifestares farás deles uma fornalha ardente.” – Salmos 21:8-9

A casa de deus ardeu. Nós da Sociedade Secreta Silvestre nos responsabilizamos pelo incêndio criminoso que atingiu a Capela São Geraldo no Parque Vivencial do Paranoá neste último Sábado, 16. Sabemos que o incêndio a atingiu porque nós o fizemos com as nossas próprias mãos, atiramos gasolina nos fundos da igreja, tacamos fogo naquela merda e desaparecemos na noite escura e fria. Pela manhã de longe avistamos o local e descobrimos que a estrutura desgraçadamente ainda está de pé, sofrendo danos nos fundos, onde o fogo a atingiu. Parece que lamentavelmente a gasolina não foi suficiente. Mas não é um problema, num ataque futuro levaremos bastante gasolina para encharcar aquela merda de líquido inflamável e fazer dela uma fogueira gigante. Teremos o gozo único de incendiá-la novamente diante de nossos olhos.

Os crentes cristianizaram os nossos antepassados e maldisseram as suas crenças pagãs. Eles profanaram e destruíram as suas terras sagradas e em seu lugar levantaram estátuas cristãs e estabeleceram os templos de suas religiões. Eles também financiaram o progresso e trouxeram a civilização com os seus valores alheios. Em seus atos arrasaram e catequizaram os selvagens, fizeram com que se esquecessem dos Espíritos que habitam o cosmos e os ensinaram a desrespeitar a Terra. À cruz e à espada eles impuseram o civismo e ajudaram na expansão da desgraça, logo merecem a egóica vingança ancestral.

Lembrem-se de que Pero Fernandes Sardinha, o primeiro maldito bispo que quis impor o cristo nestes solos terminou devorado pelos bestiais da tribo dos Caetês. Nós herdamos a guerra que iniciaram os nossos antepassados, então esperem também por fiéis mortos, quantos pudermos exterminar, tal como tem feito os parças Selvagens Assassinos Seriais. O Caos irá sobrepor a evangelização e destruir a fé inquisitória.

Ademais de asquerosa e inimiga cabal do paganismo, a cristandade foi e continua sendo grande aliada da civilização. Pois então que ardam. Ardam até que não reste mais nada pelo caminho, até que a cristandade seja aniquilada em absoluto. E não pensem que iremos nos privar de apenas os atacar com o fogo. Esperem por facadas, disparos, explosivos, venenos e maldições, esperem… De nós esperem de tudo. Sejam vigilantes, ovelhinhas. O eco-extremista vem senão para roubar, matar e destruir. Somos a figura do anticristo.

Caiam em desgraça, crentes. O deus de vocês não nos parará. Incendiaremos e mataremos impunemente. Enquanto se ajoelham e suplicam em vão ao céu vazio da figura divina, nós eco-extremistas olhamos para os céus e vemos as tempestades, os relâmpagos, as rajadas de ventos, as chuvas torrenciais, as estrelas, o Sol, a Lua e tudo aquilo que acreditamos e violentamente defendemos, a incomensurável Natureza Selvagem. Assim na terra como no céu são estes os Deuses que habitam, os vulcões, as montanhas, os rios, os mares, os desertos, as florestas, as chapadas, a névoa e tantas outras manifestações indômitas. O deus de vocês é disfuncional e contrário a toda esta grandeza, por isso o devastamos.

De resto, é pelo egóico desejo odioso de profanar o cristo. Tragam-nos o seu líder e cuspiremos em sua maldita cara.

Se o deus de vocês vier, que venha armado.

Todas as igrejas serão queimadas!
Que a fúria de Anhangá recaia sobre vós!

Individualistas Tendendo ao Selvagem – Brasil

-Sociedade Secreta Silvestre

Outono.

Era do Crucificado.

 

 

[MÉXICO] Comunicado 53 de ITS: Reivindicação do Assassinato de Sacerdote Católico em Cuautitlán Izcalli – Selvagens Assassinos Seriais

Floresta - Eco-extremismo - Bosque - Amazônia - Indígenas - Terrorismo - Ecologismo - Niilismo - Misantropía - Individualismo - Ecologia - Guerra 85.jpg

A onda de ataques de ITS pelo mundo não se detém e é com enorme gozo que saudamos agora o novo atentado homicida e anti-cristo da Máfia, o assassinato de um sacerdote católico líder de um templo no Estado do México, uma oferenda de sangue ao submundo. O ataque terrorista se deu em coordenação com os ataques bombistas de Ouroboros Silvestre nessa mesma data. Do outro lado das grandes águas, também no mesmo dia, Criminosos Animistas emergia das sombras para se unir a máfia terrorista, desta vez na Espanha.

Adiante com as lâminas afiadas e pontiagudas para cortar e perfurar a carne fresca dos crentes malditos!

Que sob os filhos de cristo recaiam maldições ancestrais pagãs para que padeçam por selvagerias!

_________________________________________________________________________

Mais uma mostra de vingança ancestral foi executada, nossa faca se cobriu de sangue outra vez, o frenesi da situação centrou o nosso olhar furioso em tocaia nas carnes do alvo, as forças obscuras do Selvagem nos acompanharam e nos empurraram para a ação homicida.

O Inominável tem rondado como um abutre faminto da suja carne dos humanos mortos. Somos os hereges que não puderam massacrar há centenas de anos, nossos ancestrais foram os que morreram rejeitando seus credos humanistas, os que foram queimados nas fogueiras inquisitórias, seus ossos convertidos em pó cobriram a terra se unindo a ela e formando parte do tudo e do próprio nada. Seus espíritos malditos que maldizem mil vezes o extermínio de culturas milenárias distantes de qualquer civilização seguem conosco.

Miclantehcutli, o senhor antigo do submundo, representação da morte, do Oculto e do Desconhecido, entrou em uma igreja católica no 18 de abril passado com o desejo de levar alguém consigo, seja quem fosse. Ele nos levou até o sacerdote Ruben Díaz Acántara, representante máximo da igreja “Nuestra Señora del Carmen”, em Cuautitlán Izcalli, Estado do México.

Chegamos até o imundo sacerdote e antes de apunhalá-lo lhe dissemos algumas palavras em nahuatl, entre elas a maldição ancestral:

¡TEHUIHUICALLIZTLI!*

N-C-320x197

sacerdote-320x225

7yiuh-320x200

A imprensa disse que discutimos com ele, mas isso é falso, porque as últimas palavras que este padre escutou em sua devota vida foram na língua que pretenderam erradicar com sua evangelização e sua colonização há séculos.

Não nos importou que o município estivesse ainda sentido pelo assassinato de dois agentes policiais pelo crime organizado na semana passada, pelo qual o exército, a marinha e a polícia federal fizeram toda uma operação para capturar os responsáveis. Assim, protagonizamos mais um assassinato demonstrando que podemos fazê-lo sem nenhum problema e estar aqui, escrevendo tranquilamente esta carta de responsabilidade zombando de suas pomposas operações inúteis.

De fato, nosso ato nada mais é do que a consequência de outros mais destinados a atingir -a desprezível religião- que tem vindo se desenvolvendo, entre pacotes-bomba, explosivos, ataques incendiários a templos e igrejas e ataques armados contra peregrinos.

Então, seguiremos, porque nossas palavras e ameaças não são em vão, porque o Selvagem segue conosco…

E é claro que atos como estes onde se vê a léguas uma invocação pagã e uma motivação ancestral tenham resposta do Oculto. Isso se materializou em um par de assassinatos a mais de religiosos em Jalisco e Puebla alguns dias após a nossa oferenda de sangue. Do nosso ato se desprenderam as forças do Caos que possuíram as mentes dos criminosos que à base da violência tiraram as patéticas vidas destes sacos de carne e osso.

Para finalizar, recordamos que no mesmo dia 18 -mas pela manhã- nossos irmãos do “Ouroboros Silvestre” (OS) detonaram um par de bombas em Tultitlán e Ecatepec, o que nos une em uma coordenação cúmplice executada. A propósito, esse Grupo de Operações Especiais da polícia municipal que esteve rondando as ruas pelas quais supostamente OS andou é uma piada, uma puta brincadeira!!!

Pela propagação do homicídio anti-humanista!

Que as maldições ancestrais voltem do submundo e encham nossas mãos de sangue humano!

Fogo e explosivos, balas e facas para o alvo em qualquer lugar que existam individualistas mafiosos!

Pela União Egoísta!

Individualistas Tendendo ao Selvagem – Estado do México

– Selvagens Assassinos Seriais

* A tradução (embora nunca literal) é, “Que a força furiosa encha de peste sua casa.”

Nota:

https://www.proceso.com.mx/530592/sacerdote-muere-apunalado-dentro-de-su-iglesia-en-cuautitlan-izcalli

 

[PORTO ALEGRE – BRASIL] Portas da paróquia São Pedro queimadas no bairro Floresta

Nos enviaram ao email.

Comunicado aparecido em alguns blogs eco-anarquistas. Saudamos o ato da queima de igrejas (qualquer que seja), enaltecemos a memória de nossos ancestrais que igualmente incendiaram igrejas e mataram a seus representantes e congregadores.

Fogo e balas contra os religiosos!

À 500 anos da invasão ocidental, seguimos com a GUERRA!
_________________________________________________________________________

A terra costuma, de tempos em tempos, fazer rebrotar rebeldemente aquilo que se pensava extinto.

São brotos de raízes rebeldes e sementes que se espalham com o vento.

Aqui, esta terra já cansada, conheceu o projeto da civilização ocidental a poucos 500 e tantos anos e, desde então as empreiteiras do domínio tem drenado toda a vida disponível para executar seus desejos.

Para cada navio de expedição e conquista, chegavam com eles os objetos de adoração, a mística que, ao serviço do poder, pretendia dominar mentes, corpos e espíritos.

Em cada novo povoado o projeto civilizatório tentou se impor: a igreja no centro, omnipresente, um mercado, um governo, uma cadeia… Missa, sermão, leis e castigos. A tarefa educativa da igreja soube muito bem vigiar e punir. O espancamento em praça pública e as execuções eram espetáculos que afirmavam a norma: “faz o que digo ou te arrebento”.

Seu projeto se implantou com mentiras, fogo e bala. Falar a língua, escutar as vozes, se tornou proibido E à aquelxs que se resistiam, arrancavam-lhes língua e orelhas Acaso queriam que não ouvíssemos as vozes do mundo que nos rodeava? Essas vozes nem sempre humanas…

O motor da civilização é a violência, o terror e a obrigação que busca o benefício de alguns provocando o sofrimento do resto. O olho conquistador, opressor, hoje burguês, transforma tudo o que vê em objeto de desejo, de possessão e benefício, assegurando para si o privilegio e a dominação.

O mundo inteiro se consome no interesse das elites. Se produz, se consome, se morre, sem ser donos das vontades e destinos. O carrasco, fala em moral e bem-estar. Educa no “bom viver” e oferece a salvação. Com sua boca nojenta devora tudo o que pode, e assim devora, as vidas. Fala de paz. Fabrica armas. Fala em bem-estar. Envenena com seus negócios. Fala em liberdade e impõe a escravidão da obediência.

Porém o sangue dxs guerreirxs correu em rios e córregos e alimentou a terra calada. E em cada pedra, cada rio, cada árvore está escrito o inominável…

Hoje, festejamos pelos nossxs mortxs, festejamos com nossxs antepassadxs. Suas vidas nos acompanham, seus passos são os nossos. Festejamos suas vidas combativas e rebeldes, as pontas de lanças que perfuraram os olhos dos conquistadores portugueses, franceses, ingleses e espanhóis, civilizadxs. Celebramos suas rebeldias contra a inquisição, as insurreições contra os inmigxs civilizadorxs. Sua vingança é a nossa. Festejamos sua memória através das chamas que provocamos nas portas duma igreja. A mesma Igreja civilizadora de faz 500 anos, símbolo da moral civilizatória e cidadã …porque sabemos que o deus que criaram é um ditador eterno…

Guerra contra a civilização e seu Estado…

[CHILE] Todas as igrejas serão queimadas

Traduzido desde Nomen Nescio e enviado por Anhangá.

Duas igrejas foram atacadas e queimadas na noite de quinta-feira em La Araucanía por indivíduos que dizem ser adeptos à causa Mapuche.

O primeiro incidente ocorreu após as 22:00 horas, afetando a capela católica Santa Joaquina, no quilômetro 5 da rota em direção ao setor Niágara, na comuna de Pare Las Casas.

Horas mais tarde um ataque foi perpetrado contra uma igreja evangélica na comuna de Ercilla.

O procurador de Temco, Alberto Chiffelle, afirmou após a sua chegada ao local do primeiro ataque que foi encontrada “evidências de disparos balísticos” no lugar, “tanto em um edifício quanto na estrada”, onde foram encontrados alguns projéteis.

No local -segundo reportou a rádio Bío Bío- também foi encontrado um lenço alusivo à causa Mapuche e um panfleto em que se lê uma ameaça: “Todas as igrejas serão queimadas. Fora!!! Liberdade aos Presos políticos Mapuches.”

Outra nota, aqui.