[CHILE] Mensagem Póstuma a Kevin Garrido, de um Individualista Tendendo ao Selvagem

“(…) E com isso eles acreditaram ou pensaram que iriam me intimidar; uma catarrenta cuspida no rosto do poder e uma guerra até as últimas consequências foi e é minha furiosa resposta. (…)”

“(…) Senti a solidão por tantos meses que meu hermético coração já se acostumou com a constante ameaça de um bisturi atrás dele, nada nem ninguém conseguirá apagar as cicatrizes que ali estarão para o resto de minha vida e com as quais abraçarei a morte vingando tudo o que a mim e aqueles que estão comigo conseguiram fazer. (…)”

“(…) Jamais irei suprimir em minhas memórias os chutes e socos contra a polícia e suas feias caras de covardia, os dias e noites correndo com fogo nas mãos em direção à autoridade, os alarmes soando de lojas ardendo, xs cidadãos correndo e gritando apavoradxs enquanto um ônibus queimando iluminava a noite. As noites onde a cidade retumbava por uma explosão e seu esplendor causando terror. Jamais esquecerei a polícia correndo para se esconder ante uma chuva de tiros nem as belas curvas de uma bala .40… (…)”

“(…) Nos tempos difíceis nunca abandonamos a luta, talvez os cães ladraram ao nosso redor, mas suas respirações nunca nos atingia, estivemos olhando um ao outro, assegurávamos nossas decisões, checávamos as nossas armas, perguntávamos a nosso ódio e dizíamos “vamos novamente… desta vez até o fim…” (…)”

“(…) À cidadania eu espero que explodam infinitas bombas, porque a “imunda vida cidadã não é encontrada apenas nos quartéis”. Estou contra a civilização e considero a cidadania/humanidade o alvo mais civilizado (me incluo), são xs que estão grudadxs ao progresso e se esforçam para seguir destruindo todo o indômito, todo o selvagem pelo sujo e asqueroso papel chamado dinheiro. (…)”

Quão difícil é escrever algumas palavras para se despedir de um guerreiro indomável. Eu nunca te conheci, Kevin, mas isso não foi um impedimento para sentir o que sinto no coração. Somente por tuas ações e escritos pude reconhecer a nossa terrível afinidade.

Nossos olhares nunca se cruzaram nem nunca nos dirigimos uma sequer palavra, mas sempre senti em meu interior esta magnífica conexão espiritual. Desde quando você orgulhoso cuspia na cara de policiais em frente as câmeras, desde o momento em que meus ouvidos escutaram em êxtase: “Abaixo às jaulas da sociedade civilizada”, a partir daquele momento o meu coração soube.

Estou profundamente triste por tua partida, irmão, não nego isso. Era de madrugada e como eu não costumo acessar a internet a este horário, não podia acreditar, a medida em que lia eu suplicava para que fosse apenas uma confusão de nomes, mas não, era tu, compa. Imediatamente senti um frio na barriga e meu coração doeu, meus olhos se encheram de lágrimas…

Estou triste, é verdade, mas a morte deve ser amada, assim como amamos a vida, e assim como se anseia e vive a vida, da mesma forma se deve viver e ansiar a morte. E tua morte, a morte dos guerreiros, é a mais bela. Estou triste, é verdade, mas há algo em tua partida que me enche de regozijo. E é que tu morreste dando guerra nas asquerosas prisões, tu te foste dando guerra até as últimas consequências e tenho certeza de que tu ansiava pela morte, irmão, o meu espírito sente isso, tu queria nos deixar lutando como fizeram os selvagens araucanos…

Saber que já não estás mais lá e que tu partiste aos abismos me inunda de um sentimento de felicidade ancestral. Para lá partiste agora, compa, os abismos são teu novo lar. Aqueles abismos onde habitam as almas de outros guerreiros. Para aqueles abismos que eu só visito quando saio com minha carga explosiva, para aqueles abismos que eu também habitarei em algum momento. Espero com ânsias por este dia. Por agora, me espere irmãozinho, que logo riremos juntos como demônios!

Saúde os ancestrais por mim, saúde a Caupolicán e Lautaro, saúde a Lola Kiepja e aos espíritos de Kloketen, saúde a Punki Mauri e diga a ele que ainda continuamos honrando seu nome, diga-lhe que é verdade, “a morte disse que nos ama”. Saúde a tantos outros guerreiros e diga-lhes que nos aguardem, que antes de morrer abraçaremos o Caos…

Por lá nos veremos, irmão, mas não ainda. Eu ainda respiro e vivo e tenho meu sangue ardente correndo em minhas veias. E enquanto ser assim atentarei com todas as minhas forças contra a civilização. Na companhia de meus cúmplices e na solidão te prometo em teu nome à tua memória seguir dando guerra.

Compa, não te prometo vingança, não. Te prometo seguir em meu caminho de atentados contra a humanidade e seu progresso, te prometo fogo e pólvora, sangue, feridas e mortos.

Me dá vontade de sair amanhã mesmo para honrar teu nome, meu corpo deseja isso, mas me aguento e me acalmo, tenho e temos artefatos prontos, mas ainda não é o momento. Enquanto isso, acendo uma vela e um incenso como um ato simbólico à distância para me despedir de ti, com canção “A Danza das Ánimas” de SM, e com um uivo ao céu escuro concluo o ritual.

Que vontade de ir a teu velório me despedir e derramar lágrimas sobre teu caixão. Eu só me limito a lembrar-te à distância e escrever-te estas palavras, que teus próximos te despeçam como um guerreiro.

Assim é a vida e a morte dos guerreiros, lembrem-se de que os guerreiros não morrem simplesmente, não. A morte de um individualista libera a energia do Caos e sua alma sempre permanece conosco, nos acompanha e nos guia.

Um guerreiro morreu, morreu abraçando o Caos e isso nunca é esquecido, não o esquecerei, não o esqueceremos.

Irmão, daqui da mesma terra em que habitamos me despido com os olhos lacrimosos e um sorriso orgulhoso. Siga dançando no abismo!

¡Mauri, Seba, Mark, Kevin, como os ancestrais morreram!

Pela vida no Caos, pela morte no Caos!

Sempre em minha memória e nas andanças de ITS!

O que virá por aí é por ti, Kevin, é por vocês!

Abro os meus braços a ti, porque nós somos os únicos que permanecerão, para lutar contigo, viver ou morrer

Um Individualista Tendendo ao Selvagem

[CHILE] Comunicado 64 de ITS: Sobre a Junta de Vizinhos de Internet

Tradução ao português do comunicado 64 de ITS-Chile.

I.

A verdade é que agora não nos interessa em nada entrar em uma disputa com os ambientes anarquistas locais ou internacionais, entendemos que é apenas gastar palavras e nos entendiarmos em pleitos virtuais. Em geral, preferimos continuar com as nossas atividades, mas às vezes os escândalos de certos personagens merecem ser abordados. Tal como tem sido a última aprontada de alguns blogueiros europeus.

A estas alturas não é de se admirar que tenhamos chegado a este ponto, acreditamos que são as consequências de nossa guerra extremista contra a humanidade civilizada. E como sulistas pertencentes a ITS, temos algo a dizer.

Comecemos com algumas perguntas, estes “anarquistas” nos devem lealdade? Respeito? Empatia ou algo parecido? A resposta é claramente NÃO. Eles não nos devem absolutamente nada, não são nenhum pouco afins às nossas andanças, tanto que somos INIMIGOS. Se pode esperar algo bem intencionado de um inimigo? A resposta novamente é NÃO. Então, se eles estão em todo seu direito, do que podemos nos queixar? Com que cara podemos nos queixar se nossos irmãos atentaram fisicamente contra anarquistas e seus espaços? Esta é apenas a consequência óbvia que deve ser enfrentada inteligentemente e violentamente, se necessário.

Os irmãos da SSS do Brasil já disseram, nós poderíamos pagar com a mesma moeda, começar a expor fotos, nomes e endereços, mas não o faremos porque não somos miseráveis, ponto final. Nós não estamos aqui para sair caguetando algum criminoso, isso nunca. Nós estamos nesta terra para propagar o Caos, para estourar carnes humanas com os nossos explosivos, estamos para desencadear a vingança dos espíritos da terra contra a humanidade.

Não iremos desperdiçar palavras ameaçando a este tipinho de gente, sabemos que de nada serviria e sinceramente acreditamos que não tem efeito algum sobre estas pessoas. Isso se confirma logo após os irmãos de ITS no México e Brasil se pronunciarem. O que fizeram estas pessoas? Se assustaram? Se retrataram? Não, pelo contrário, seguem em seu caminho inquebrantável. E agora não satisfeitos em ter exposto um teórico da tendência, expuseram o endereço de seu domicílio, e até “revelaram” o endereço de IP do blog “Maldición Eco-extremista” (risos).

Dizer que seus métodos não tiveram efeito na tendência seria ilusório, porque as consequências são óbvias. Foram abandonados valiosos projetos de propaganda e difusão na internet, pode-se dizer com firmeza que sua campanha acusatória resultou em mil maravilhas. Mas, o que acham? Pensaram que as atividades de ITS iriam cessar? Que nos dobraríamos ante a suas campanhas virtuais? Que nos dará medo que nossos rostos apareçam em seu site? Que vamos deixar a guerra? ISSO NUNCA. Tiramos de letra a inteligência policial, então evitá-los não será um grande problema.

Por enquanto, sigam com suas picuinhas virtuais já que é a única coisa que sabem fazer bem. Nós seguimos mesclando o salitre, carvão e enxofre, seguimos testando recipientes, seguimos corroborando as ruas. Tenham cuidado, pois seguimos em nosso caminho de terror.

II.

É assim que o véu é levantado e se revela as verdadeiras intenções desta gente. Elas não estão nisso para atacar ou destruir qualquer sociedade, nem para defendê-la, se for o caso, elas não são o “anti” de nenhuma civilização, na verdade são as forças de coesão social levadas um passo adiante, como os super-heróis dos filmes em inimizade com a polícia por seus métodos radicais, mas sempre perseguindo os verdadeiros vilões. Para aqueles que em atos e não em palavras querem ver tudo queimando.

O véu foi levantando há muito tempo, e estes personagens estão mostrando a sua verdadeira face, aquela mais cidadã. Nós não poderíamos, nós nos recusamos a acreditar que esta campanha acusatória estivesse sendo encabeçada por “anarquistas”. Não nos entraria na cabeça que alguns “anarquistas” chegaram a isso…

Isso de colocar fotos e endereços é digno de uma ONG ou uma junta de vizinhos. Vocês são uma vergonha para a anarquia (a verdadeira anarquia), são uma vergonha para a memória dos anarquistas terroristas antigos, são uma vergonha para a anarquia de Mauricio Morales, para a anarquia que queima cílios com molotovs, para a anarquia que detona extintores e incendeia bancos..

Vocês já não são anarquistas, meninos (se é que alguma vez foram), já não resta nenhuma célula de anarquia em seus corpos. E se esta é a “nova anarquia”, as coisas não vão bem…

Pela memória dos incontáveis anarquistas terroristas do passado e alguns atuais, deixem a velha anarquia em paz e não sigam manchando o pouco do respeitável que resta da anarquia no mundo.

E nos perguntamos, por que nenhum de seus amiguinhos de internet replicaram as fotos e endereços de sua campanha acusatória? Por que será? Por acaso será porque seus amigos de internet perceberam que isso não é coisa de anarquistas?

E por favor, digam a este “chinêzinho” para parar de falar bobagens, já foram duas cartas endereçadas a nós e ninguém está interessado. Já deu…

III.

Temos conversado entre os irmãos do sul e esta situação das “fotinhas” nos deixa bem preocupados. Pode ser que alguém nos reconheça aqui pelo sul e enviem as fotos de alguns de nós a estas pessoas e nos publiquem em seu site para depois nos prenderem. Olhe, nos livramos por vários anos da inteligência policial no sul para que venham nos prender por causa de uma laia de gente que anda do outro lado do oceano e, passageiramente, fazer em instantes o que em três anos não puderam fazer os governos daqui.

Então, em vista desta complicada situação, aproveitamos para fazer um chamado público a todos os que sabem quem somos; “a toda a cena rebelde, se agradeceria de coração que não enviassem nossas fotos a estes senhores para que não nos postem em seu blog. Desde já, muito obrigado.” haha

A verdade é que nós tomamos esta situação com um pouco de humor já que pouco nos importa si apareçamos em seu site, vamos ver se conseguem nos achar primeiro. Dizem que enviarão os mercenários antifascistas que estiveram em Rojava até o México e Brasil para caçar os grupos de ITS HAHAHAHAHAHAHA boa sorte nos subúrbios mexicanos e nas favelas brasileiras, onde o sangue jorra pelas ruas e o cheiro de morte é algo cotidiano.

Podemos ter muito senso de humor, mas os fatos são fatos, esta junta de vizinhos expôs um propagandista do eco-extremismo e isso é algo que não tem reparos. Há alguns cúmplices enfurecidos, muitas coisas se passaram em nossas mentes para agir em consequência disso, muitas são as possibilidades, por enquanto o sul não teve grandes pleitos com a cena anarquista. De qualquer modo, estamos atentos ao que aconteça…

Poderão nos desacreditar e nos difamar, irão querer nos apontar com o dedo, difundir nossos nomes e rostos, mas não nos assustam as freiras no cio, cagamos e andamos em sua moral bastarda e virgem.

Doa a quem doer, ITS seguirá em seu caminho de destruição. Os pesares da humanidade continuarão, nós já estamos do lado do desastre, é apenas uma questão de tempo para que a balança se incline para o Caos.

Continuamos com nosso caminho, nunca fazendo o trabalho da polícia, nunca sendo heróis. Sempre orgulhosos criminosos e verdadeiros anti-sociais.

Coragem aos difusores da tendência, que apesar das adversidades levantam projetos e seguem contribuindo com suas palavras para a guerra.

Evitando toda as polícias, as profissionais e as autodidatas!

Individualistas Tendendo ao Selvagem – Chile

– Horda Mística do Bosque

– Bando Inquisidor Vingativo

[ARGENTINA-CHILE] Comunicado 62 de ITS – Seita Sangue Vermelho e Horda Mística do Bosque: Declaração Conjunta e Ataque Frustrado

Desde as terras do sul se desata uma rede entre cúmplices eco-extremistas, uma prova irrefutável de que a Máfia cresce e persiste em suas negras intenções. Saudamos os manos da Seita Sangue Vermelho, novo grupo de ITS, que fazem a sua apresentação com um ataque incendiário indiscriminado que foi silenciado.

Adiante, individualistas!

I. SSV

Um só caminho nos trouxe até aqui, não há outras possibilidades. Encontramos nossa verdade, manifestação única e final da potência do nosso ego. Longe das mentiras e dos enganos dos tolos.

Vamos abrir um portal para o outro lado, subiremos? Não! Iremos fazer parte de algo mais.

Vamos fazer do resto da humanidade nossos escravos, subordinados a autoridade máxima da pólvora, do fogo, das facas e das balas. A morte reivindica as suas presas, somos nós os emissários.

Os Deuses sombrios querem enviar uma mensagem. Eles nos mandam à guerra. A bomba, a arma dos astutos e dos canalhas é nossa ferramenta exclusiva.

Pelo estado chileno estivemos afiando os punhais junto a nossas afinidades nos últimos anos. Entre conspirações e cumplicidades cruzamos com ITS. Na ação se materializa a verdade das potencialidades e nisso pudemos corroborar, depois de quase dois anos concluímos uma etapa cheia de experiências nutritivas para o ego extremista, com toda certeza podemos dizer que as interações criminosas entre Mafiosos valeram a pena e hoje desatamos oficialmente esta conspiração transandina, no marco da conspiração internacional e transcontinental contra o progresso humano. Hoje nos desprendemos da nutrida Horda Mística do Bosque para reclamar uma identidade própria, ITS-Argentina, Seita Sangue Vermelho (SSV).

Podemos afirmar com o peito inflado de orgulho que os esforços dos canas para nos deter desde aquele verão de 2017 seguem sendo inúteis. Nem a nós nem a Horda puderam pisar os calcanhares. Nem próximas passaram as suas repetitivas e humilhantes tentativas, e não acreditem que alguma vez em fuga nós cruzamos com vocês. Somos movidos por um chamado apaixonado que mantém nosso sangue correndo e nossos dentes cerrados, então é melhor seguir o seu fluxo e acatar as suas ordens, é isso que nos toca. O constante movimento também nos nutre e nos livra da estagnação. Dizer mais é desnecessário.

Hoje só procuramos o sangue como meio para transcender o humano, cada ferida que geramos nos separa deste plano. Cada passo nos aproxima do nosso objetivo desejado, o sangue e a morte. Buscamos negar a humanidade através do ataque amoral, mas não qualquer ataque. Nós jogamos nos corredores do esquecimento os simbolismos da práxis, vemos o ser humano individual, a cada um, como a materialização concreta do ideal Humano que dita que é precisamente esta espécie, nossa espécie, a que domina sobre a terra, o final e também o começo. Cercado pelo mundo do efêmero o espécime humano só consegue ver a si mesmo a onde quer que olhe. A extensão material do antro preenchendo a superfície terrestre, assim a ilusão é sustentada.

Começamos a caçada humana que entre sonhos e vigílias nos levará a nossas presas, deixando uma bomba incendiária na porta de uma casa qualquer no bairro de Villa Devoto. Quisemos que o fogo penetrasse a estrutura e que sua magnitude engolisse os habitantes, mas sem notícias, achamos que não foi bem assim.

À morte nós oferecemos a nossa coragem, mas não o sangue desta vez. A lâmina aguardará pacientemente.

É necessário uma união terrorista como a nossa dar razões para seus ataques? Não poderíamos, em termos ideológicos, explicar o que nos conduz, e embora as palavras soltas saiam de nossas podres bocas. Não é a boca, não será, serão as mãos e os pés, cérebro, coração, carne, tripas e o que pudermos concretar. Isso dará conta do que somos.

Guerra, sangue e decadência, já não resta mais nada.

II. HMB

Somos as sementes do eco-extremismo que germinaram nas férteis terras do sul, terras que há tempos vem sendo testemunha do surgimento de ferozes individualistas. Não nos esquecemos de como há anos atrás experimentávamos com o fogo e conseguíamos queimar estruturas. Esse caminho ficou para trás, mas o revivemos com orgulho.

Já hoje desde as sombras temos conspirado para gerar mortos e feridos, com nossos irmãos de sangue temos desferido contundentes golpes. Inéditos atentados deixaram em ridículo o governo inteiro, já outros ficaram apenas em terríveis intenções. Nós continuamos com o caminho do caos e terror que começamos com o incontrolável fogo. Seguimos testando e planificando, ratificando cenários e calculando rotas de fuga, fazendo conexões e inventando recipientes…

Nosso caminho até aqui como ITS-HMB tem sido repleto de maravilhosas experiências, acompanhados e rodeados de valiosíssimas cumplicidades. Chegou o momento de reconhecer a importância que tiveram (e tem tido) em nosso caminho os ITS “originais” do México, porque o aceitamos com orgulho. Estes irmãos desde o início nos seduziram com as suas afiadas palavras e seus contundentes atentados. Desde aqui tão longe no sul os agradecemos por forjar parte de nosso caminho, por nos estremecer a alma com cada novo comunicado de Reação Selvagem e por nos fazer voar com estas estupendas edições da Revista Regresión, repletas de todas estas contribuições teóricas vitais que nos nutrem até os dias de hoje. Irmãos, estejam tranquilos que seus pensamentos viajaram e se espalharam até o fim do mundo, aqui criaram raízes e estão perseverantes na guerra. Fizemos nossas as suas motivações nesta guerra contra o progresso humano e o mundo civilizado. As suas ideias foram incorporadas em nossa mente e decidimos enaltecer com orgulho estas míticas siglas. Siglas incorretas e perversas que marcaram a diferença entre a rebeldia anti-sistêmica e a guerra extremista contra a humanidade.

Com tudo contra, conseguimos continuar com a expansão das ideias extremistas afins pelas diferentes partes do sul. E assim, depois de ter sido nós os infectados pelo germe extremista, chegou o momento e a oportunidade de levar nosso vírus além das fronteiras por cima das geladas montanhas dos Andes. Mas desta vez não foi apenas pela palavra, não foi somente pela incrustação de ideias em mentes afins, não. Desta vez, fomos um passo adiante e transportamos a infecção em carne e osso. É por isso que desta forma e através deste comunicado conjunto tornamos pública a rede de eco-extremistas que é tecida no sul. Assim, de uma vez por todas, desencadeamos oficialmente a operação consistente na propagação da tendência eco-extremista.

Como bem escutaram, do outro lado da cordilheira já estão ocultos alguns ex-membros da Horda Mística do Bosque, é assim como os irmãos regressam à sua “pátria mãe”. Lá, agora no meio da pútrida civilização argentina estão alguns de nossos irmãos prontos para o que venha, com as mesmas intenções que tinham por aqui, com os mesmos conhecimentos, habilidades e materiais.

À vocês, irmãos de sangue que decidiram corajosamente empreender esta fuga de volta a suas terras distantes para continuar com a guerra ancestral. Para vocês vai toda a nossa força em seu novo projeto criminoso. Esperamos vê-los novamente para rir satânicamente como fizemos quando entramos na FCFM da Universidade do Chile, tal como uma vez rimos em um ônibus depois de deixar um artefato, isso jamais será esquecido. Tampouco esqueceremos que graças à sua distração no campus naquele dia conseguimos sair são e salvos.

Não menos importantes foram aquelas noites sem lua que iluminamos apenas com o fogo. As estrelas destas noites são as mesmas que seguimos vendo agora e que por aí vocês veem. Dormir com o coro dos grilos e o som do rio nos leva outra vez àqueles momentos. Por aqui não vamos recuar, seguimos persistentes com os atentados.

Assim nos despedimos, com o coração inchado de tristeza e os olhos cheios de lágrimas desejamos o melhor em seu caminho por aí, irmãos. Esperamos nos deleitar com seus atentados em terras argentinas. Que os espíritos dos antigos continuem protegendo-os por aí. Nos vemos no brilho da lua e no resplendor do sol. Daqui continuamos a ouvir seus uivos, nós estamos conectamos espiritualmente e esta conexão nada nem ninguém pode quebrar. Que a energia da cordilheira nutra nosso vínculo. De oceano a oceano, ligados e unidos até o dia de nossa extinção.

Irmãozinhos, nós seguimos deste lado da cordilheira, nossas explosões serão nossa saudação cúmplice.

Pela propagação da tendência eco-extremista e niilista misantropa!

Adiante com a guerra grupos de ITS e afins!

Individualistas Tendendo ao Selvagem – Argentina
– Seita Sangue Vermelho

Individualistas Tendendo ao Selvagem – Chile
– Horda Mística do Bosque

[CHILE] Reaparece o grupo terrorista ITS

Desde a imprensa chilena notícias sobre o recente pacote-bomba da Máfia ITS-HMB.

Adiante com seus artefatos, irmãos do Sul!

“Com esta pequena mensagem orgulhosamente reivindicamos o abandono de um novo pacote-bomba na Faculdade de Agronomia da Universidade do Chile na avenida Santa Rosa 11315, em plena Zona Sul, em meio às terríveis populações onde estão alojados estes imbecis “agricultores”.” Assim, através de seu site, o grupo autodenominado “eco-terrorista” –que também afirma ser o autor do ataque ao ex-presidente da Codelco Óscar Landerretche– se responsabilizou pela colocação de uma nova bomba.

Se tratou de uma caixa com uma garrafa preenchida por pólvora negra, que foi deixada em um ponto de ônibus na Avenida Santa Rosa, na madrugada de 7 de Setembro. Testemunhas afirmaram que, embora o artefato tenha explodido, não houve lesionados devido à intensidade média do fulminante.

Desde a Procuradoria do Sul confirmaram o ocorrido, acrescentando que o caso está sendo investigado e que o investigador em tempo integral, Claudio Orellana, já ordenou os primeiros passos da investigação.

Primeira Aparição

O ataque ao ex-presidente da Codelco ocorreu em 13 de Janeiro de 2017, quando uma encomenda chegou à sua casa em La Reina. Lá, o artefato explodiu e causou lesões a ele e a parte de sua família.

Desde então, o grupo “eco-terrorista Individualistas Tendendo ao Selvagem – Chile” se responsabilizou pela colocação de outras quatro bombas, incluindo a da semana passada. Suas outras aparições haviam sido em um Transantiago e nas proximidades da Universidade Raúl Silva Henríquez.

Em seu “comunicado”, publicado no site em 10 de Setembro, afirmaram que “na sexta-feira 7 de Setembro, abençoados pelos espíritos da terra, abandonamos no ponto de ônibus uma caixa de sapatos com uma mensagem para o curioso. O artefato estava composto de uma garrafa térmica preenchida por 300 gramas de pólvora negra e dezenas de fragmentos de lâminas em seu interior. Prometia o pior…”

A equipe especial de Carabineros para estes casos está investigando a explosão, bem como o caso Landerretche , e já solicitou o comparecimento de testemunhas, revisão de câmeras de segurança próximas ao local e uma série de outras peritagens que visam esclarecer o ocorrido.

Esta unidade de trabalho é a mesma que realizou investigações com a Procuradoria do Sul no atentado do Subcentro na Escola de Gendarmaria, casos que resultaram em condenações.

[ES – PDF] Mictlanxochitl: La Flor Del Inframundo Que Cresció En Esta Era – Parte 2

Segunda parte do trabalho “Miclanxochitl: La flor del inframundo que creció en esta era” [ENIT].

Adiante com a propaganda anti-humanista!

Descarregue em PDF: Link 1Link 2Link 3 (via onion).

[CHILE] Comunicado 59 de ITS – Horda Mística do Bosque: Pacote-Bomba Contra a Faculdade de Agronomia da Universidade do Chile

Tradução ao português do comunicado 59 de ITS-Chile.

Mais uma vez saímos de nossos refúgios com nossas sombrias intenções, saímos das sombras carregando o caos. Saímos encomendados a todas as energias ancestrais, orando aos espíritos dos antigos, saímos rezando o “ritual pagão do atentador”. Tocamos a terra e nos conectamos com o seu espírito, falamos com ele e lhe pedimos para cuidar de nossos corpos, que abençoe os nossos passos enquanto nos dirigimos ao abismo, lhe pedimos para que apague as nossas pegadas e que não restem rastros dos irmãos.

Nosso quarto atentado não transcendeu a mídia, talvez os gambés se inteiraram e o neutralizaram. Desta vez, o alvo foi novamente estudantes universitários e mais uma vez da Universidade do Chile. Não sossegaremos até que algum destes viadinhos abra algum de nossos presentes.

Continuaremos no caminho do terror, nossas tentativas e nossas vontades não ficarão em silêncio, por isso, mesmo que algum de nossos explosivos não detonem ou sejam neutralizados pelo GOPE, seguiremos reivindicando nossos dispositivos que portam feridas e mortes.

Com esta pequena mensagem orgulhosamente reivindicamos o abandono de um novo pacote-bomba na Faculdade de Agronomia da Universidade do Chile na avenida Santa Rosa 11315, em plena Zona Sul, em meio às terríveis populações onde estão alojados estes imbecis “agricultores”. Através de nossos cúmplices nos inteiramos de um belo ponto de ônibus utilizado unicamente por estes universitários, então vimos a oportunidade perfeita para colocar em prática o nosso ataque.

Na sexta-feira 7 de Setembro, abençoados pelos espíritos da terra, abandonamos no ponto de ônibus uma caixa de sapatos com uma mensagem para o curioso. O artefato estava composto de uma garrafa térmica preenchida por 300 gramas de pólvora negra e dezenas de fragmentos de lâminas em seu interior. Prometia o pior…

Então, nós o abandonamos e vazamos. Mais uma vez saímos sãos e salvos de nossas andanças terroristas. Mais uma vez seguimos impunes, conspirando para mais atentados, com nossos cúmplices preparados para o que vier.

Voltamos às sombras, seguimos impunes, livres e salvagens. Abençoados pelo manto do desconhecido. Guiados pelo sol conseguimos fugir e agora agradecemos às energias da terra, beijamos as ramas das árvores em um ato de misticismo para sentir a essência da terra em nossos lábios.

Seguimos atentando em nome da autoridade da terra e de seus processos violentos contra a civilização. Gambézinhos da “inteligência” policial, nem com todas as suas tecnologias modernas encontrarão rastros de nossos pacotes, continuem buscando que não acharão nada. Nós somos uns fantasmas, deixamos vocês em ridículo por mais de dois anos e aqui ainda estamos… voltaremos ao tempo.

Pelos antigos habitantes. Pela guerra contra o humano e o progresso. Viva às andanças dos ITS no sul, norte e Europa!

Irmãos, a guerra continua no sul até a morte!

Misantropia, Natureza Selvagem e Caos, salve!

Individualistas Tendendo ao Selvagem – Chile

– Horda Mística do Bosque

Nota Anônima

Tradução de uma nota anônima enviada ao já falecido blog “La Manta Mojada”, onde o anônimo ou a anônima expressa a sua simpatia pelo atentado contra o bastardo Landerretche, atentado terrorístico, selvagem e egoísta levado a cabo pelos ferozes membros de ITS-Chile.

Outro dia eu caminhava no bosque. Vi a terra rasgada, os destroços retorcidos de árvores quebradas. Havia um páramo onde uma vez havia vivido o cervo, o urso, o coelho e os pássaros. Pensei nos cedros e me apressei por eles, implorando que ainda estivessem de pé. Quando os encontrei caminhei até eles, os toquei, senti sua divindade e a grossa casca. Este conjunto de cedros está formado por três anciões, os mais antigos que conheço neste bosque. Talvez comparativamente jovem no grande esquema das coisas, mas este é um bosque comparativamente jovem. Suponho que busquei conselhos com eles no meio de outro bosque que eu queria que fosse arrancado, devorado para apaziguar o apetite incessante desta miserável civilização. Mas me ofereceram apenas seu repouso estoico. Se falassem algo comigo era em uma língua na qual meus ouvidos haviam ficado surdos.

Escutei que recentemente no Chile o presidente da junta diretiva da empresa mineradora estatal Codelco recebeu uma agradável surpresa de um pacote particularmente volátil enviado a ele por um grupo de eco-terroristas, uma resposta da Natureza Selvagem pela destruição causada pelas mãos das apodrecidas minas de cobre da Codelco que rasgam a face da terra. Me disseram que as autoridades afirmaram que estes atos são “deploráveis”, “desprezíveis”, etc. Michelle Obama e o New York Times inclusive sentiram-se obrigados a comentar sobre o ataque. Uma imprensa muito boa para um humilde grupo de terroristas chilenos, se me perguntam sobre. A maioria dos moralizantes são lixo híper-civilizado padrão. Proselitizando no altar da “Ordem e a Civilização”, e outros similares. O NYT tentou encobrir a natureza do ataque em seu comentário, apesar de que os atacantes sabiam mais de perto do que havia ocorrido. Não posso dizer, no entanto, que meus sentimentos se alinhem tão bem com o resto das massas híper-civilizadas.

Nas palavras dos próprios atacantes:

Nosso atentado é um ataque em nome de todo o Selvagem e Desconhecido, é um ataque eco-extremista indiscriminado, febrilmente egoísta e contrário à civilização na sua mais elevada expressão. Também é um ato de terror para os híper-civilizados representantes da devastação da Terra. Suas grandes minas a céu aberto são as provas dos maus-tratos do progresso humano contra a Natureza Selvagem.

Codelco, uma (senão a maior) empresa mineradora do mundo, responsável por devastar a Terra por décadas, encarregada de roubar seus minerais em busca da perfeição absoluta da civilização. Por acaso pensaram que os prantos dos montes indignados por suas máquinas não seriam escutados por nós? Por acaso pensaram que não escutaríamos os gritos de espanto das árvores? Pois é. Nossos ouvidos escutaram a chamada do Selvagem, por isso nossas mãos atentaram.

Somos os gritos de vingança da cordilheira que rodeia as tumbas da Codelco, a neve ali caída apenas amaldiçoa a todos os infelizes que trabalham em suas estruturas, e dizemos a TODOS, porque desde a velha que limpa o piso ou o chofer de algum caminhão, até os cargos altos da empresa ou donos, todos são partes da subjugação do Selvagem.”

[…]

Mas, o que são feridas nos braços e estômago se comparadas com as feridas que as máquinas da Codelco infringem a Terra? NADA! Sem dúvida isso é pouco para o que merece estes bastardos. Aparentemente também saiu ferida a empregada da casa e a filha pequena que teve um trauma acústico. Continua a ser pouco.”Vigésimo primeiro comunicado de Individualistas Tendendo ao Selvagem

Conheço essa raiva, e conheço este desejo de atacar “em nome do Selvagem e o Desconhecido”. Estas são palavras que fazem eco em meu espírito. Seria uma mentira eu dizer que não vi estas máquinas que arrancavam as árvores da terra e desejava com cada fibra do meu ser vê-las queimar juntamente com cada pessoa que trabalhava neste local, para enfrentar sua violência contra a terra junto com a minha. Regressar baixo o escuro abraço da noite e tacar fogo nestas máquinas. Deixar bombas nos caminhões desta companhia madeireira para cada trabalhador involuntário que corta este lugar maravilhoso. E houvesse sido tão fácil se tivesse acontecido algo. Sua morte significaria pouco para mim. O que é a mutilação ou inclusive a morte de alguns poucos trabalhadores madeireiros diante da destruição realizada na terra a cada dia pela marcha implacável desta civilização? Como alguns disseram anteriormente, “todavia é muito pouco”.

Saí do bosque este dia, ainda cheio de raiva. Inclusive a dupla de mulheres que ia comigo enquanto caminhava me enojou enquanto iam pelas trilhas fofocando sobre qualquer merda sem sentido que as donas de casa obesas falam, aparentemente imperturbáveis pela destruição ao redor delas. Quando passaram por mim sorriram e eu sorri em seguida para elas, e logo me ri entre os dentes enquanto meus pensamentos vagavam por matar as duas por sua irreverência pela profanação que ocorria a seu redor.

Mas não as matei. E não taquei fogo nas máquinas nem deixei bombas para surpreender aos trabalhadores madeireiros. Eu queria e sentia no fundo do meu espírito o desejo de atacar selvagemente e indiscriminadamente, em nome do bosque e contra a destruição desta beleza selvagem. Estava sentado durante horas nestes bosques vendo os pássaros esvoaçando entre os galhos das árvores. Havia observado como os coelhos examinavam as ervas daninhas e invejava como sabiam pegar os presentes da Natureza Selvagem. Havia deitado nas camas das samambaias e escutado o vento no dossel do bosque. Havia seguido as trilhas do veado que serpenteava pelo bosque. Tudo isso, todas estas coisas belas destruídas para saciar os impulsos decadentes dos híper-civilizados. Por ver estas coisas feitas a estes lugares que tanto amo, não conheço outra reação que o desejo de responder violentamente. Para enfrentar esta violência contra todo o livre e belo com violência em defesa do que é livre e belo.

Mas ao final do dia, e sendo honesto comigo mesmo, não pude dizer que atuaria sobre estes impulsos. E no entanto, ao mesmo tempo, não pude dizer que nunca faria um esforço por realizá-los. Estas são perguntas que não estou em condições de responder, já que não posso prever o futuro. Não sei em quais situações me encontrarei, quais coisas irei presenciar, como reagirei a elas, etc. Talvez alguns leiam isto e me considerem um hipócrita por deliciar-me com o ataque ao presidente da Codelco. Não me assusto com a violência indiscriminada dos eco-extremistas, para escrever sobre os desejos em meu coração de atacar o que destrói tudo o que encontro livre e belo sem atacar. Mas estas são minhas próprias contradições, suponho. Sou um produto desta sociedade decadente, híper-civilizada, e ao mesmo tempo não me vejo veementemente oposto a tudo o que representa. Simplesmente escrevi aqui o que está em meu coração, pelo que vale a pena.