[MÚSICA] Miasthenia

Extreme Pagan Black Metal com líricas pagãs e ancestrais. Abordam ritualismos pagãos, resistência indígena ancestral, o Desconhecido, culto à morte e aos Deuses, guerras, canibalismo, misantropia, anti-cristianismo extremo, herança e vingança ancestral, cosmologia pagã, submundo, animismo, Natureza Selvagem, supremacia ancestral, necromancia, primitivismo, caçadas e confrontos, etc.

Escuta o chamado…

Letra da “Sacerdote Jaguar”:

Guardiões do inframundo
Correndo de volta ao templo, guardando segredos primordiais
Resistência ancestral!

Em ritos fúnebres no templo da morte.
Sacerdote-jaguar celebrando deuses da morte

Libertando a alma do templo
Libertando seu grande espírito
Lealdade na escuridão

Evocando mortos em transe
Guiando seus passos para além do inframundo de volta ao mitnal,
Ao ventre da deusa, de fetos e larvas, de mortos esperando renascer no inframundo

Em ritos fúnebres no templo da morte.
Sacerdote-jaguar celebrando deuses da morte

Libertando a alma do templo
Libertando seu grande espírito
Lealdade na escuridão

Evocando mortos em transe
Guiando seus passos para além do inframundo de volta ao mitnal,
Ao ventre da deusa, de fetos e larvas, de mortos esperando renascer no inframundo

Metamorfoses espirituais da morte
Sublimes estágios de renascimento
Akbal guia o jaguar
Akbal corre em minhas veias

Unindo mundo opostos, potências celestes,
A alma dos mortos aos ancestrais
Chave do renascimento no mundo dos mortos
Forças ctônicas, ritos telúricos

Akbal guia o jaguar
Akbal corre em minhas veias

Guardiões do inframundo
Correndo de volta ao templo, guardando segredos primordiais
Resistência ancestral!

Em ritos fúnebres no templo da morte.
Sacerdote-jaguar celebrando deuses da morte

Letra da “Brumas Xamânicas”:

O Xamã Makú, da tribo de nômades caçadores da floresta Amazônica prepara-nos a mágica porção alucinógena de viagens sobre a cosmos e o passado sulamericano, sobre Nemep-wa Matas (Domínio das Sombras), risos obscuros de profanações ouvimos das Sombras, a vaguear nas florestas taciturnamente espionam os mortais, na vampírica busca do sangue. Livres no tempo em meio a danças e cantos, rituais poemas. Sob selvagens horizontes retorno à terra – alma de meu povo. Sem paz. Com as minhas armas defendo sua memória enterrada. Retorno à terra e dela retiro minhas, o canto dos mortos.

Glifos insólitos que habitam esta saga
A saga de uma guerreiro ancestral
As folhas caem num prelúdio
E sangue dos deuses é derramado…

Brumas Xamânicas!
Fogo e tempestade em suas veias
Delírios enfim de desumanos poderes…
Seu corpo a floresta pulsante
Seu sangue vestígio do tempo.

Quilla!!! Vejo um deus sem face
Caminhando entre as hordas de ataque
Rituais de nossos desejos
Cósmicos mistérios…

Brumas Xamânicas em prelúdio
Mitos de guerra, relatos do fim…

Vejo formas exóticas e a saga de um guerreiro ancestral
Numa confusa dimensão e o cérebro máquina em tirania
Um vermelho profundo escurece minhas visões…

Letra da “De Natureza Infernal”:

De infernal natura
Ritos obscuros de profanação
Pulsando na floresta na busca pelo sangue

Nós regressamos com ódio para o fim!!!

Sob o cosmos primordial
Visões de opulenta Serpente
Através do espelho do tempo anunciando
O resurgir da natura
De criaturas infernais!!!

Giramos sob o espelho do tempo
Onde o dia jamair ousou penetrar
Onde a Lua em luxúria copula com as sombras
No Trópico dos Pecados!!!

Clamam em sacrifícios humanos…
Para além dos ciclos da vida e da morte
Míticos espiritos ancestrais
Libertem!!!

Letra da “Guerra de Mixton”:

Nas montanhas de mixtón
Feiticeiras dançam
Ao redor do fogo
Contemplando os ventos que
Anunciam a sangrenta batalha

Anunciando a vida de Tlaloc
E de todos ancestrais ressuscitados
Ao rufar dos tambores
As hordas de Tlaloc
Se reúnem para o massacre
Tanamaxtle grande guerreiro
Se prepara para a batalha
Conduzindo as hordas bélicas
Da resistência

Tlaloc o senhor da destruição do “terceiro sol”
Evocando a chuva cósmica
Do universo que se revela
Nos códices sagrados
Ergue novamente o seu templo
Nas montanhas de mixtón

Expurgando os sacramentos
Incendiando igrejas
Matando missionários
Castigando os seguidores da igreja
Lançando a desgraça
O exército do vice-rei

A flecha de Tanamaxtle
Corre como o raio de Tlaloc
Reinando soberana nos campos de batalha

Tempestades de apostasia e profanação
Dilacerando a face do deus cristão
O paraíso de Tlaloc aguarda os
Guerreiros que caem sob as águas

Letra da “Deuses Da Aurora Ancestral”:

Autos-de-fé inquisitoriais
Vieram de além mar
Trazendo a cruz e a espada
Violando os altares ancestrais
Do “novo mundo”
Mas este novo mundo
Era tão antigo quanto o seu

Desde a escuridão de tempos primordiais
Uma raça de homens-deuses
Habitava o continente
A cidade dos deuses
Brilhava em sua glória
Sangue e corações humanos
Despejados em antigos cenotes
Deuses da aurora ancestral

Mas um dia os inquisitores chegaram
Empunhando a cruz e a espada
Disseminando a peste em seus sacramentos
Ergueram seus templos
Nas ruínas ancestrais

Mas os guerreiros do “novo mundo”
Resistiram bravamente
Ao cárcere da inquisição
Extirpação das idolatrias
Profanaram a cruz
Quebrantaran sacramentos

A fúria dos deuses austrais
Corre nas flechas de fogo
Eles correm para as montanhas
E ostentam os cultos ancestrais
Eles marcham para a batalha

E erguem seus poderosos machados
Golpeiam conquistadores
Sacrificam missionários
Imolam inquisitores
E atormentam sua alma

Deuses demônios da guerra e do fogo
Deusas guerreiras e rainhas soberanas
Marcas do anti-cristo
Ecoa em sua mente
Apostasia tribal
Ofuscando o sol da inquisição

Os tambores estão pulsando
Na escuridão da floresta
Os espíritos ancestrais
Dançam no círculo sagrado
Eles se tornaram imortais
E atormentam sua alma

Letra da “Rituais de Rebelião”:

Minha mente sobrevoa tempos ancestrais, onde rituais de rebelião permanecem em essência.. Guerreiros e Amazonas abraçam o ritual, unindo-se contra o invasor, semeando o medo e anunciando o desconhecido. Aos olhos do invasor que os teme por seus mistérios. Candelabros ardem em minhas visões. Perfumes de incensos desfilam pelo ar… Os poderes ancestrais se manifestam nesta noite…
No Vale das Sombras aguardamos a batalha Final, e após os mil anos destruiremos a Cidade Santa…Puro como a noite o mal se manifesta. O sol desaparecerá eternamente. E meus inimigos cairão!!!

Senhores do fogo e da terra!!!
Selando com a espada e o cálice este poema…
Guardiões da Torre do Sul!!!
Espíritos sombrios das florestas
Nós evocamos!!!

As chamas permanecem acessas
Evocando o centro de nosso ser
Destruindo e purificando
Pagã alquimia de nossos desejos.

Murmúrios de séculos
Rituais de rebelião

Envoltos em feitiços sabáticos
Visões de ancestrais paganismos
Taqui ongoy! A dança da enfermidade
Caminhando para a floresta
Nós bebemos do cálice
Celebrando a Grande Deusa… Quilla!!!

Letra da “Essência Canibalística”:

O pajem tupinambá anuncia o fúnebre ritual
Imolação e vingança, sangue, ódio e poder
Os deuses bestiais se manifestam na velha dança
Teoruira!!! Desprezando o deus inimigo…

Debe mara pa, xe remiu ram begue!!! (Que todo infortúnio
recaia sobre você, minha comida, minha refeição)
Nde akanga juka aipota kuri ne!!!
(Quero arrebentar sua cabeça ainda hoje)

Cauim e sangue, embriagues e êxtase
É o espírito imortal sorvido em crânios inimigos
Minha ira em cálices de morte…
Seu sangue é minha força vital
Sua morte o signo de minha vitória!!!

Eu vejo o mundo invisível ao seu redor
E o crepúsculo que anuncia uma Era de Sangue
E a profecia das Maracás desferindo o golpe mortal
O estandarte do eterno caos
A dinastia abismal forjada em ódio ancestral
Corpos descarnados, corações arrancados…

Desfrute da ceia triunfal canibalística
E sinta o despertar do espírito da águia…
Sinto a vitalidade selvagem
E a natureza infernal pulsando em minhas veias…
A inocência primitiva que habita a escuridão
A supremacia das Maracás, da idolatria pagã…

Letra da “Onde Sangram Pagãs Memórias”:

Outrora corpos animados de homens comandavam os exércitos,
conquistavam as províncias, possuíam os tesouros,
saqueavam os templos.
Exultavam no seu orgulho, sua majestade, sua fortuna,
sua glória e seu poder. Elas são esvanecidas, estas glórias,
como as terríveis fumaças vomitdas pelos fogos infernais do Popocatépetl.
Nada, salvo algumas linhas de uma página,
para as fazer voltar à nossa lembrança!
(Netzahualcoyotl, Rei de Texcoco)
Há séculos seus campos estão em chamas.
Os meridianos sangram suas memórias,
enquanto seus filhos brincam em jardins de mentiras,
celebrando o vazio, cultuando símbolos inimigos.

Somos totens supremos
Cavalgando nos confins do limbo
Aclamando com orgulho…

Fazemos entoar rumores de guerra
Uma supremacia perdida
e nossa horda de seres invisíveis
Em êxtases animistas blasfêmicos

Somos a tragédia em suas veias
Correndo para nossa fortaleza na intensa floresta
Derramando poemas em lágrimas
Memórias ancestrais…

Nossos corpos estão adoecendo
E lá onde os nobres descansam
Brilha mais uma pálida constelação
De nossos sonhos e pesadelos…

Dançando com minha sombra
Movendo-se na escuridão
Extravasando a fragilidade humana…

Celebrando o invisível em cálices da morte
E rasgando os véus que encobriram sua beleza
Vejo-lhe agora desfigurada
A beleza em rios de sangue correndo de sua face
Nossa Era… Caos…

Letra da “Soturna Selvageria”:

Ouça as derradeiras palpitações
De um coração que desfalece
Ali onde estilhaços de rocha emergem da imensidão
Onde correm os ventos do Sul.
Mundo esquecido que reina em silêncio
Refúgio fascinante de seres aterradores.

Beba do cálice e seus mistérios
Aqueles que não ousam devorar o fruto do conhecimento
E retornar ao estado selvagem da existência
Ouse e reinaremos em soturno legado

“Rostos sábios e corações firmes”
Guerreiros do Fogo
Somos herdeiros de uma Era de Gigantes
Quebrantando as leis santas da Mãe natureza
E os divinos preceitos do Pai
Nós renegamos o seu batismo…

E na noite dos tempos retornamos
Ao estado selvagem da existência
Rastejando como serpentes
Voando como águias…

Libertando para sempre o universo mítico pagão
Libertando para sempre o pesadelo escondido nas lendas

Letra da “Necromânticos Ritos de Guerra”:

Ao rufar dos tambores de guerra
E o sopro de flautas infernais
Pintamos nosso corpo para o massacre
Conduzindo escudos e armas

Recebemos o espírito da força
Evocado em sacrifícios humanos
O sacerdote vê o destino da guerra
No coração palpitante do inimigo

Necromancia…
Conduz-nos às trevas do tempo…
Flechas de fogo, canoas velozes e cantos de guerra
Unimo-nos ao círculo de sanguinárias guerreiras
Seres que habitam na escuridão

Filhos do Demônio aterrador
Violando a cruz e os dogmas
Erguendo o estandarte de força e honra pagã
Perdidos para sempre nas brumas da rebelião
Misantropia!!! Canibal!!!

A Cidade dos Mortos resplandece esta noite para a batalha
Megalíticas fortalezas mancham-se com o sangue inimigo
Agora os seres da escuridão alimentam sua honra e orgulho
Já não vejo mais aqueles que tentaram usurpar o meu trono…

Esta é a Era do Sangue!!!

Álbuns:

Miasthenia – Legados Do Inframundo

Miasthenia – XVI

Miasthenia – Batalha Ritual

Miasthenia – Supremacia Ancestral

[PT – VÍDEO] Catarse – Dias Melhores Nunca Virão

BAIXAR ÁUDIO

Recebemos esta mensagem e este impactante projeto por e-mail de alguém chamado “Erva Daninha”. Esperamos que com estes recortes a mente de cada ouvinte seja contaminada de extremo pessimismo e desejo de vingança. E desde já incentivamos as iniciativas propagandísticas misantropas e anti-humanas anônimas!

Adiante, individualistas propagandistas!

Este projeto é sobre o agora, o mesmo agora de há três anos atrás quando ele foi produzido e esquecido. Esta edição é sobre os gritos de dor de um planeta que morre pelas mãos de um animal chamado humano e indiferente com a beleza do mundo. Juntei todas as minhas forças naquele momento para reunir o que encontrei de mais grave e pessimista sobre a situação ecológica da terra, recortes que apenas afirmam que já acabou para o humano e a civilização, não há mais volta e ele será punido com uma catástrofe extintiva que o varrerá deste planeta. As águas, os solos, as florestas, os outros animais, todas estas coisas sagradas significam nada para o humano civilizado adorador da tecnologia moderna. Coisa alguma poderá mudar o curso que a nossa espécie traçou para si mesma. Não há esperanças nem revoluções, tampouco messias que poderá deter a catarse da natureza selvagem. Merecemos o nosso próprio extermínio porque miseravelmente brincamos de deuses sem possuir grandeza para isto. Os dias por virem são pessimistas porque nós fizemos do agora o fim. Não haverão dias melhores.

Erva Daninha.

O Último dos Tanaru

Recentemente foram divulgados registros do que parece ser o último dos Tanaru. O homem primitivo é o único sobrevivente de sua tribo que foi massacrada há mais de vinte anos atrás por fazendeiros. Desde então há duas décadas habita sozinho algumas florestas do estado de Rondônia. Os registros mostram que “índio do buraco” vive da caça e da coleta, além de praticar também a agricultura, cultivando alimentos como milho, banana, mamão e batata.

Mesmo após a sua tribo ser dizimada o Tanaru seguiu distante da civilização, sempre se esquivando e desprezando tentativas de contato. É assim que o último dos Tanaru vive, sozinho e primitivamente há mais de duas décadas em meio as florestas após o seu povo ser massacrado por civilizados, tal como uma vez fez Ishi.

 

[AUDIO – ES] Primeira Emissão da Rádio Primate

Apresentamos com orgulho individualista este projeto criminoso de difusão anti-humanista!

Desde algum lugar da América os Espíritos Egóicos realizam trabajos de relevância, que incentivam a continuidade da Tendência terrorística, lançando-se ferozmente contra a jugular dos valores morais civilizados.

Ânimo com os projetos criminosos de propaganda inumanista!

Politicamente incorretos sempre!

Escute:

DESCARREGUE: Link 1Link 2

Blog da Rádio Primate [Na Onion]: http://prmlkuddink.torpress2sarn7xw.onion

GUIA:

0:00 – 4:03: Apresentação

4:04 – 7:19: Música

7:23 – 20:12: Sobre as Últimas Manifestações Selvagens

20:13 – 22:37: Música

22:38 – 51:30: A Caça às Bruxas Contra Atassa nos Estados Unidos

51:31 – 54:19: Música

54:21 – 1:19:39: A Persistente Presença de ITS

1:19:41 – 1:24:05: Música

*Recomenda-se escutar o áudio com fones de ouvido, isso devido ao som grave da voz do individualista.

[MÚSICA] Arandu Arakuaa

Arandu Arakuaa” significa em tupi antigo “saber dos ciclos dos céus” ou “sabedoria do cosmos”.

A banda de Folk Metal canta em Tupi-Guarani e Jê e abordam ritos, cosmologia, espiritualidade, guerras e sabedoria ancestral.

Álbuns:

[2012] Arandu Arakuaa [EP]: Link 1Link 2

[2013] – Kó Yby Oré: Link 1Link 2

[2015] Wdê Nnãkrda: Link 1 Link 2

Huku Hêmba” significa “Espírito da Onça” em Akwén Xerente.

Aruanãs” (Espírito da Água)

Gûyrá” (Pássaro)

[ESTADOS UNIDOS] Divulgam mais vídeos do massacre de Mandalay Bay

Acabam de divulgar na web mais vídeos sobre o grande massacre de Las Vegas ocorrido em outubro de 2017. Um dos vídeos (de 30 minutos) faz uma enorme cobertura do acontecido que acabou por se tornar o maior tiroteio em massa da história moderna dos Estados Unidos, resultando na morte de 60 pessoas e mais de 500 feridos.

O assassinato em massa foi perpetrado por um só indivíduo, Stephen Paddock, filho de um notável assaltante de bancos que agiu entre as décadas de 60 e 70 nos Estados Unidos.

Na noite de 1 de Outubro de 2017 Paddock abriu a sua mochila recheada de armas de grosso calibre e desde a janela de um quarto no trigésimo segundo andar do hotel Mandalay Bay apoiou os seus fuzis de mira telescópica sob um tripé e começou a disparar indiscriminadamente contra a multidão de pessoas que assistia a um concerto próximo ao edifício, istando ao caos e o terror na “cidade que nunca dorme”. Foram cerca de dez minutos de aterrorizadores disparos, com breves pausas para recarregar as suas armas ou escolher outras em seu vasto arsenal de guerra que o rodeava, dando assim pouca ou nenhuma chance para as suas vítimas que sequer conhecia. Paddock disparou indiscriminadamente e matou quantas pessoas pode antes de se suicidar com um tiro mediante a iminente invasão das forças de segurança ao quarto em que estava hospedado. No local portava vários fuzis e em sua casa foram encontrados alguns quilos de explosivos de alto poder destrutivo e uma enorme quantia de balas.

Rico, descrito como amigável por conhecidos e sem ligações com qualquer grupo terrorista, organização religiosa ou política, a hipótese de um ataque deste tipo foi prontamente descartada, entretanto as suas motivações foram obscurecidas pela polícia. Stephen Paddock agiu sozinho e certamente planejou com antecedência o massacre. Em seu quarto foi encontrada uma nota manuscrita com cálculos para maximizar a projeção dos disparos, o que corrobora com a sua intenção de assassinato em massa. Não agiu sob quaisquer motivações étnicas ou religiosas uma vez que foi completamente indiscriminado e sequer sabia em quem estava disparando, ciente apenas de que eram humanos. O aparato de guerra encontrado em sua casa demonstrava nefastas intenções em um caminho que desejava proseguir.

Apesar de ter as suas motivações obscurecidas pela polícia acreditamos que Paddock agiu sob impulsos misantropos, assim como Mark Conditt, outro terrorista indiscriminado e com motivações igualmente ofuscadas pelas autoridades. Ademais de indiscriminado Stephen Paddock foi um completo amoral em seu ataque contra o alento humano. Foi preciso e obstinado contra as suas vítimas sem qualquer distinção étnica, religiosa, classista ou de gênero. Certamente, Stephen Paddock nos deixou muitos ensinamentos com este bárbaro ataque.

[ES – DOCUMENTÁRIO] – La Guerra Eco-anarquista Contra el Progreso en Chile

Enviaram-nos e orgulhosamente aqui apresentamos a mais nova produção dos afins de Nahual!

A tradução do texto foi realizada por Anhangá.

Adiante eco-anarquistas de guerra!
_________________________________________________________________________

Há pouco tempo os afins de Nahual publicaram o trabalho audiovisual no Globin Refuge com este nome. Nele reunem ataques na região “chilena” reivindicados por grupos eco-anarquistas, os quais Maldición Eco-extremista e Maldição Ancestral consideram ferozes guerreiros dignos de uma menção especial, já que a eco-anarquia é uma das tantas formas que assume a guerra contra a civilização e o progresso humano, reivindicando o Selvagem e desferindo duros golpes contra as estruturas da própria civilização.

Então, orgulhosamente apresentamos este vídeo. Que sirva para a perversão da mente, para reapropriação de tudo aquilo que temos perdido e pelo apoderamento dos espíritos de nossos antepassados nos corpos dos individualistas que fizeram e farão arder e botar abaixo os andaimes da sociedade industrial e tecnológica.

Afinidade com os eco-anarquistas de guerra!
Que o fogo caótico e ameaçante se estenda a todos os cantos das podres cidades!